PADRE JOSÉ MAIA

MEDITERRÂNEO: Cemitério de refugiados

Num tempo em que o mundo se tem transformado num cenário de graves e continuados conflitos de diversas naturezas, com especial destaque para os conflitos que configuram vergonhosas “desumanidades” por atentarem contra elementares direitos humanos, tentarei, durante uns meses, partilhar com os leitores do SOLIDARIEDADE, que tenham por hábito passar os olhos por esta coluna de opinião, alguns extratos da mensagem que o Papa Francisco apresentou ao Mundo ao anunciar o JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA.

Começo com as dramáticas e recorrentes imagens que nos chegam de milhares de refugiados que, em pequenos barcos sem qualquer segurança, vão chegando a várias costas de países europeus na esperança de aí poderem sobreviver, drama que o Papa Francisco apresentou ao Mundo quando se deslocou, profética e corajosamente, a Lampedusa.

Finalmente, e graças a uma eficaz denúncia do que se anda a passar em relação a milhares de refugiados, a Comissão Europeia anunciou um plano de ajuda destinado, para já, a 50 mil refugiados que se encontram, presentemente, em vários países, sem as mais elementares condições de vida. Gestos como este, dignificam a União Europeia e a sua obrigação moral e institucional de defesa da VIDA! Espera-se que, de futuro, esta preocupação de solidariedade para com os refugiados, se alargue a quem buscar na Europa o que nos seus países de origem lhe é negado. Porém, para além de gestos de solidariedade, exige-se da União Europeia e da própria ONU que trabalhem com inteligência e consistência em prol de políticas que possam alterar as causas geradoras desta nova escravatura nos vários países de proveniência destes refugiados.

Aliás, enquanto, por um lado, se apela às Autoridades Políticas nacionais e internacionais para que assumam as suas responsabilidades, o Papa Francisco associou-se a este combate, convocando a Igreja e todas as pessoas de boa vontade para a celebração de um JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA, que decorrerá no ano de 2016.

JUSTIÇA NA DEFESA DO BEM COMUM, SOLIDARIEDADE, MISERICÓRDIA: três valores capazes de darem um precioso contributo para uma “maior humanização do Mundo”.

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2015-06-12



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...