FUNDAÇÃO OBRA DO ARDINA, LISBOA

Dificuldades financeiras ameaçam a Obra do Ardina

Longe vão os tempos de apogeu de uma das instituições de solidariedade com mais tradição na cidade lisboeta. A Fundação “Obra do Ardina” atravessa um período complicado de sobrevivência, com muitas dificuldades económicas, o que pode reflectir-se no bem-estar das crianças e jovens que lá vivem.
Idealizada pelo padre Moreira das Neves, em colaboração com Maria Luísa Garcia e um grupo de mulheres noëlistas da época, a “Obra do Ardina” surgiu como associação em 1942, destinada exclusivamente à protecção dos ardinas da cidade de Lisboa. Ao longo dos anos sofreu alterações decorrentes das necessidades sociais e é hoje uma Fundação com natureza jurídica de Instituição Particular de Solidariedade Social (I.P.S.S), destinada a ajudar e a acolher crianças e jovens de todo o país que se encontrem em situação de risco familiar e/ou psicológico.

A Obra do Ardina tem, actualmente, a seu cargo 36 crianças e jovens residentes nos três lares em Lisboa, embora possua capacidade para 52 internos. Alexandre Martins, responsável há cerca de três décadas pelos destinos da instituição e colaborador da Obra há quase cinquenta anos, reconhece as graves carências financeiras que a instituição vive. “Já não recebemos ninguém há mais de um ano, por falta de obras no Lar dos Jovens. Continuamos, sentados, à espera de fundos”, afirma ironicamente o director.

A Obra está dividida em três lares distintos, consoante as idades das crianças e jovens: o lar “Jovens do Ardina”, para os mais velhos, o “Ardinitas” que acolhe os mais pequenos, com idades entre os seis e os treze anos, e o “Ardijovem”, que funciona como patamar intermédio entre os dois anteriores. A maioria dos utentes são crianças órfãos ou provenientes de famílias disfuncionais, alguns com os pais detidos, outros filhos de toxicodependentes e prostitutas e que são encaminhados para a Obra do Ardina através do Instituto de Segurança Social, do Tribunal de Menores e de outras instituições de natureza semelhante. “A manutenção desta casa tem custos muito elevados”, diz Alexandre Martins, acrescentando que o seu financiamento resulta exclusivamente de “protocolos estabelecidos com a Segurança Social, que não cobrem mais de um terço das despesas, e de dádivas que nos chegam de particulares e algumas empresas”.

O fecho dos três centros de A.T.L, devido ao o prolongamento do horário escolar, também veio emagrecer ainda mais as receitas da fundação, bem como, o corte nos fundos destinados à formação profissional. “Tínhamos formação profissional subsidiada desde os anos 60, o que, com a redistribuição desse dinheiro, dava para equilibrar as contas, mas agora está suspensa”, lamenta Alexandre Martins.
A instituição conta com o trabalho diário de cerca de 60 pessoas, com uma equipa técnica constituída por três assistentes sociais, dois psicólogos e uma educadora de infância. Além disso, sete voluntários ajudam as crianças no apoio ao estudo acompanhado. O quotidiano dos “ardinas” é passado entre a escola e a instituição. Luísa Baptista, educadora de infância na Obra há oito anos, faz questão de salientar que as crianças também frequentam variadíssimas actividades extra-curriculares. “Temos um menino no violino, outro no futebol”, exemplifica Luísa Baptista, acrescentando que a IPSS também possui um coro de música. Quanto aos mais velhos, alguns com dezassete anos, o estabelecimento de um projecto de vida, passa, muitas vezes, pela frequência de cursos de formação profissional ou pela inscrição em programas ocupacionais, enquanto procuram um emprego.

O Solidariedade conheceu apenas o Lar dos “Ardinitas” e pôde observar a falta de condições existentes na casa. As paredes possuem infiltrações, o prédio é antigo e escuro e as crianças não têm nenhum espaço exterior para brincarem, sendo que ao fim-de-semana estão entregues ao cuidado de um único monitor. Alexandre Martins reconhece estas fragilidades, mas adianta que “é isto que temos”. Os fins-de-semana estão reservados para as visitas familiares ou de famílias de afecto, devidamente autorizadas pelas entidades competentes. Luísa Baptista explica que “as famílias também são chamadas aquando a celebração de momentos importantes na vida dos meninos, como o crisma ou a primeira-comunhão e em situações escolares”, afirma.

A Obra do Ardina também presta apoio, em regime ambulatório, a diversas pessoas que procuram ajuda para dificuldades pontuais aos mais diversos níveis. O jornal “O Ardina” constitui igualmente outra fonte de receita para a IPSS e é o elo de ligação entre a instituição e a comunidade, enviado trimestralmente a cerca de oito mil assinantes. Em 2006 a venda do periódico ultrapassou os 52 mil euros, não só em assinaturas, mas também na distribuição às portas das igrejas. “Ao fim-de-semana, a minha mulher e eu vamos de igreja em igreja para vender o jornal e levamos um ou dois meninos connosco”, explica o director. “Escolho aqueles que não têm para onde ir e ficam cá todos os dias”, acrescenta Alexandre Martins.

A Obra possui outra casa em Martim Joanes utilizada como colónia de férias, mas que futuramente se poderá transformar noutro lar. “É uma casa muito boa e pensamos vir a criar um lar nessas instalações”, afirma Alexandre Martins escusando-se a apontar prazos para a concretização desse objectivo, não fosse esta uma altura de graves carências económicas para uma instituição com mais de meio século de existência.

 

Data de introdução: 2007-04-02



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...