CHAMA DA SOLIDARIEDADE

No dia da República chegou ao reino dos Algarves

«É a chama da unidade e da solidariedade», diz o refrão o hino da Chama da Solidariedade que há seis anos percorre o País e que neste fim-de-semana prolongado, o último dos próximos Outubros, chegou à região mais a Sul do País. Do Nordeste transmontano agora ao Sul do território, a Chama da Solidariedade tem levado a mensagem de unidade e disponibilidade pela qual a CNIS sempre pugnou e há mais de três décadas espalha por todo o Portugal.
Sob um céu enublado e ameaçador a Chama chegou a Chinicato, pequena localidade à entrada de Lagos, indo do Sotavento, proveniente de Évora, cidade onde pernoitou de uma longa, mas vibrante viagem de dois dias pelos distritos escalabitano, portalegrense e eborense.
Santarém, onde a Festa da Solidariedade decorreu em 2011 e cujo distrito viu passar a Chama e sentiu o seu calor solidário, foi o ponto de partida da jornada deste ano. Mais concretamente a instituição CASULME, em Ulme, donde partiu, no dia 3 de Outubro, com destino a Foz do Arrão, já no distrito de Portalegre, onde se deu a primeira transmissão. Seguiram-se Vale de Peso, Castelo de Vide, Portalegre, Vaiamonte e Campo Maior. Na véspera do dia em que se celebra a Implantação da República, Partiu de Campo Maior rumo a Terrugem, tendo daí atravessado fronteiras, dando-se a transmissão da Chama à UDIPSS de Évora em Estremoz, prosseguindo, então, até à capital de distrito, onde aqueceu a noite!
Já no Algarve, outrora Reino dos Algarves, a Chama foi recebida e transportada pelos motards de Lagos e da Praia da Luz, seguindo até Lagos, onde, primeiro, no edifício século XXI da Câmara Municipal e, depois de um percurso a pé, no largo fronteiro aos antigos Paços do Concelho foi o elemento congregador em torno de apresentações musicais de jovens músicos lacobrigenses.
A tarde iniciou-se com uma passagem por Portimão, com uma breves visitas na Meixilhoeira Grande e em Alcalar, seguindo, então, sempre escoltada pelos mais de 20 motards, até Lagoa. Aí, na Nave da Fatacil, a Chama emprestou um brilho solidário às muitas dezenas de seniores que participavam na Semana Sénior de Lagoa.
Engrossada por alguns motards de Lagoa, a caravana seguiu viagem até ao castelo de Silves, ponto nevrálgico do Reino dos Algarves, continuando em bom ritmo até Loulé, com passagens por Alte, Benafim e Salir.
Foi interessante perceber que os menos avisados do que se passava, pois a passeante caravana com escolta policial e de bombeiros e um vasto grupo de motos chamava a atenção, aderiam com grande facilidade.
Já em Olhão a Chama foi recebida pela fanfarra dos Bombeiros Voluntários locais e por um grupo de jovens escuteiros, desfilando rumo ao Auditório Municipal, donde partirá ao início da tarde deste sábado, e escoltada por motards de Olhão e de Faro, para no Jardim Manuel Bívar, junto à marina de Faro, ser a luz da Festa da Solidariedade.
O Rancho Folclórico da ARPI (Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos), de Faro, fará as honras da cidade, recebendo e acompanhando a Chama até ao seu destino final.



Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2012-10-06



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...