O TECTO, VILA DO CONDE

Na primeira linha para resolver problemas

A génese de O Tecto – Associação de Solidariedade Social, sediada em Fajozes, Vila do Conde, está num grupo de reflexão bíblica formado ainda antes da Revolução de 1974, sob a égide do padre Torres Maia. No entanto, é com o 25 de Abril e todo aquele espírito voluntarista de mudar o País que nasce a instituição, inicialmente designada Promoção – Cooperativa de Desenvolvimento Cultural e Social.
“É, de facto, um filho daquela vontade imensa que invadiu as pessoas por altura do 25 de Abril de 1974”, recorda Conceição Costa, directora de Acção Social e co-fundadora da instituição.
Apesar do início de actividade da, então, cooperativa ter sido pela vertente cultural, “já pressupunha a vertente social”, refere Amorim Costa, presidente e também co-fundador d’O Tecto.
“Quando nasceu O Tecto não existia nada em Vila do Conde, a não ser um pequeno asilo no monte, que hoje é uma grande instituição, a Ordem Terceira de S. Francisco. Nascemos precisamente por isso. Os pais não tinham onde colocar os filhos e não havia nada relacionado com a acção social no concelho. O Tecto nasceu do nada porque também não havia nada”, explica Amorim Costa.
O arranque do trabalho social acontece com um jardim-de-infância, a grande necessidade da altura, até porque a sociedade portuguesa estava em plena mudança e era preciso dar resposta às necessidades emergentes, como refere a directora de Acção Social: “É um novo contexto em que as mulheres começam a trabalhar, deixam de ser domésticas, por todas as razões, fossem económicas ou outras, mas também por uma questão de libertação do doméstico como única forma de vida”.
Foi numa escola desactivada e cedida à instituição que o infantário funcionou inicialmente, mas os obstáculos que surgiram acabaram por ditar o futuro da cooperativa.
“Após um incêndio no antigo edifício da escola que nos tinha sido cedido, a Cooperativa quase se extinguiu, permanecendo apenas o infantário. Entretanto, foi-nos cedida, por uma agricultor da terra, uma casa velhinha, onde passou a funcionar o jardim-de-infância, e onde estivemos durante mais alguns anos”, recorda Amorim Costa, que lembra ainda que “a Câmara de Vila do Conde já havia, entretanto, cedido um pequeno terreno”.

ALARGAMENTO AOS IDOSOS

É nesta altura que a ambição de crescer e servir mais pessoas começa a fervilhar entre os dirigentes d’O Tecto.
“Pedimos mais terreno à autarquia e foi quando a Associação passou a sonhar em ter todas as valências. Embora durante muito tempo nos tenhamos dedicado mais à área da infância”, sustenta o presidente.
Mas a abertura de valências que cobrissem também a área da terceira idade foi uma vontade que cedo se começou a manifestar.
“Como o País, de uma forma em geral, O Tecto foi tentando encontrar respostas mais sólidas e viu-se que as respostas sociais que tinham uma grande premência eram as da infância, daí a nossa primeira valência ter sido a de jardim-de-infância”, recorda Conceição Costa, acrescentando: “Foi um jardim-de-infância que pusemos a funcionar, como na altura se faziam as coisas, com muito boa vontade… Mas isto ou acabava ou entrava num caminho de estruturar coisas sólidas… Entretanto, fizemos acordo com a Segurança Social e nesse pequeno terreno que tínhamos construímos um equipamento, onde instalámos o jardim-de-infância e o ATL, que depois cresceu ao mesmo tempo que a Câmara nos cedeu mais terreno. Foi, então, que construímos o edifício que hoje aqui temos, corria o ano de 1991”.
Com o jardim-de-infância em funcionamento no novo edifício, a casa onde antes este funcionava serviu para dar corpo a outro anseio da instituição, prestar serviço na área da terceira idade.
“Nessa altura já tínhamos outros interesses e vontade de criar respostas ao nível da terceira idade. E não tendo forma nenhuma para avançar, tínhamos apenas uma casa pequenina que não respondia às necessidades, pelo que começámos por ter aqui numa parte do edifício o Centro de Dia e a colocámos também em funcionamento o Apoio Domiciliário. Passado um tempo, criámos um Clube Sénior, que hoje tem grande expressão, e que desde essa altura tem vindo a crescer de uma forma enorme e que hoje é já uma Universidade Sénior”, conta Conceição Costa.
A esta altura já O Tecto era um exemplo para muitos, segundo os seus dirigentes, com Amorim Costa a sublinhar: “Quando aparecemos não havia nada, mas depois surgiram outras instituições, de certa forma, a tentar imitar O Tecto. Até havia muitos presidentes de Junta que colocavam nas suas promessas eleitorais fazer um Tecto na sua freguesia”.

AVALIAR AS NECESSIDADES

Importante para esta visibilidade e para que outros olhassem O Tecto como uma referência foi, segundo Conceição Costa, a forma como a instituição sempre abordou a comunidade e as suas necessidades: “O Tecto, porque teve sempre alguém com formação na área social, nunca viu este trabalho como o eu quero e eu gosto, mas sempre em resultado de avaliar o que existia na comunidade e quais as necessidades. Desde o princípio, a instituição fez uma abordagem da comunidade a fim de saber o que em determinado momento é importante e o que depois deixa de o ser. Lembro um presidente de Junta que, em sede da Rede Social, dizia querer desesperadamente uma creche na freguesia dele, mas onde não existia nenhuma criança em idade de creche”.
A este propósito, o presidente da instituição é peremptório: “Em minha opinião, a CNIS deve ter um papel pedagógico, porque muitas vezes, dentro da Confederação, incentiva-se e apoia-se o aparecimento de instituições que depois vão ter problemas. Tal como o padre Lino Maia disse na Feira Social de Vila do Conde, «há instituições que têm muros que precisam de ser derrubados para se abrirem aos outros». O que neste momento acontece é que, em vez de haver cooperação, está a haver muita competição por uma questão de sobrevivência. Quando O Tecto nasceu não havia nada, mas hoje acontece muito surgirem instituições ao lado umas das outras o que faz com que estejam a pescar nas águas umas das outras. É bom que haja liberdade de as pessoas escolherem, mas no momento que vivemos, com esta crise profunda, o que acontece é que há instituições a fechar”.
Em Março do ano passado, O Tecto inaugurou um novo edifício, sonho antigo, onde congregou todas as respostas para a terceira idade, incluindo uma Estrutura Residencial para Idosos, onde actualmente vivem 42 utentes, apesar de o Acordo de Cooperação contemplar apenas 10.
“Temos apenas Acordo para 10, porque era o que já tínhamos na antiga residência”, explica Conceição Costa, que no entanto se mostra esperançada em conseguir a qualquer momento alargar esse Acordo: “Temos expectativas em celebrá-lo, porque demos a volta à situação e não abrimos a casa com um funcionamento privado, mas tivemos que fazer contas. O diferencial entre a pensão do idosos e o custo real é pago pelas famílias e temos a casa cheia. Não estamos a explorar ninguém, porque estamos a cobrar praticamente o mesmo que as instituições aqui do meio e que têm Acordo de Cooperação. Algumas até cobravam mais e desceram os preços quando nós abrimos a Casa dos Girassóis”.
A abertura do lar era um desejo antigo, como refere o presidente da instituição: “Já sentíamos esta necessidade de criar um equipamento para a terceira idade de raiz há mais de 15 anos. Nessa altura já tínhamos um projecto na Segurança Social com o qual concorríamos permanentemente, mas cuja resposta era sempre a de que não havia dinheiro”.
Actualmente, na área da terceira idade, para além dos 42 utentes em lar, a instituição recebe mais 35 em Centro de Dia, presta ajuda a 38 através do Serviço de Apoio Domiciliário e no âmbito do Clube Sénior tem um universo de 600 idosos integrados. A nível de infância, 47 bebés frequentam a creche, 80 meninos o pré-escolar e 39 crianças o ATL. Para além disto, O Tecto presta apoio a 50 famílias ao abrigo do CAFAP, apoia 180 pessoas ao nível do RSI e tem cinco pessoas integradas na empresa de inserção criada em 1999, mas que actualmente está em fase de extinção. O apoio a todo este universo de utentes é prestado por uma equipa de 90 colaboradores.

HORTA MULTI-SENSORIAL

Numa fase em que não é possível fazer grandes investimentos em novos projectos, O Tecto, fruto de um prémio ganho no universo EDP e com alguns dos fundos angariados numa iniciativa recente, quer criar uma sala e uma horta multi-sensorial, “algo muito importante para as pessoas que sofrem de doença de Alzheimer e outras demências”, explica Amorim Costa, que revela ainda que “cerca de 70% das pessoas em lar já sofrem de demências”.
Para além disto, “há um outro projecto que ainda não está bem estruturado, mas é um sonho antigo, que é o de criar um espaço privado em Vila do Conde, no âmbito da Universidade Sénior, que terá também uma área de luxo, para quem pode pagar”, refere o presidente, pormenorizando: “Isto tem também o intuito de conseguir receitas para esta parte social”.
Para Conceição Costa a missão d’O Tecto é simples: “Costumo dizer que somos um movimento social, muito mais do que uma instituição de solidariedade social. O que queremos dizer é que somos a primeira linha de uma comunidade que quer organizar-se para resolver problemas”.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2014-06-26



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...