IMIGRAÇÃO

Portugal bem classificado na anti-discriminação

Os estudos são aparentamente contraditórios. O estudo "European Civic Citizenship and Inclusion Index", que compara as diferentes políticas sociais em 15 países da União Europeia, concluiu que "a anti-discriminação é a área mais forte em Portugal" e que a execução das políticas nesta área se situa "acima da média europeia". Esta investigação contrasta com um outro estudo da União Europeia, divulgado em Março, que revelava que Portugal é o quarto país da União Europeia mais resistente à imigração e que um em cada seis portugueses tem reservas em relação à entrada de imigrantes.


No estudo "European Civic Citizenship and Inclusion Index", Portugal é o segundo país entre 15 da União Europeia com melhores políticas anti-discriminação. A Bélgica é o país com melhores políticas anti-dicriminação e na cauda da tabela surge o Luxemburgo. Portugal aparece ainda em quarto lugar no que respeita ao reagrupamento familiar, ocupando a mesma posição que a França e a Alemanha, numa área liderada pela Finlândia, e nas políticas relacionadas com a inclusão dos imigrantes no mercado de trabalho.

Bélgica, Holanda e Espanha são os países com melhores políticas de inclusão no mercado de trabalho. A mesma investigação revela também que Portugal é o sexto país que mais permite aos estrangeiros a obtenção da nacionalidade, depois da França, Bélgica, Irlanda, Luxemburgo e Reino Unido.

Seminários realizados em vários países da União Europeia em 2004, políticos e especialistas da UE sobre imigração contribuíram para a realização deste estudo que comparou as diferentes políticas sociais nos 15 estados-membros.

 

Data de introdução: 2005-06-28



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...