«EMPREENDE JÁ»

Programa recebeu 800 candidaturas de jovens «nem-nem»

O programa do Governo destinado a apoiar os chamados jovens «nem-nem» – que não estudam nem trabalham – já recebeu cerca de 800 candidaturas, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação (ME).
“O programa «Empreende Já» recebeu, nesta primeira fase, cerca de 800 candidaturas. Estes jovens são, maioritariamente, provenientes da região Norte e apresentaram candidatura individual, tendo manifestado a intenção de desenvolver projetos centrados na Economia Social ou de criar empresas”, referiu o ME em comunicado.
O programa promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) foi apresentado em dezembro e destina-se a apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas e de entidades da Economia Social, assim como a criação de postos de trabalho, por e para jovens.
As candidaturas já entregues vão agora ser analisadas por um júri, constituído pelo IPDJ, pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES).
“Os jovens cujas candidaturas forem aprovadas serão apoiados, durante seis meses, com uma bolsa de cerca de 700 euros e terão de frequentar 250 horas de formação em áreas transversais à ação empreendedora. Terão ainda apoio técnico personalizado (tutoria), com vista à estruturação e sustentabilidade do projeto”, refere o comunicado da tutela.
A nota acrescenta que, “posteriormente, serão selecionados 90 projetos para a segunda fase do programa «Empreende Já», concebidos pelos jovens empreendedores que apresentem, individualmente ou em grupo, registo/início de atividade ou certidão do ato constitutivo de associação ou empresa”.
“Cada um destes projetos contará com um apoio de dez mil euros”, atribuídos com o objetivo de manter a empresa em atividade durante dois anos, segundo a tutela.
O «Empreende Já» é uma medida integrada no Plano Nacional de Implementação de uma Garantia para a Juventude, cofinanciado, no valor de 4.600.000 euros, pelo PO ISE – Programa Operacional Inclusão Social e Emprego.

 

Data de introdução: 2017-03-13



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...