ASSOCIAÇÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO DE VALE DA ESTRELA, GUARDA

Os desafios mais difíceis são os mais apetecíveis

A Associação Social e Desenvolvimento de Vale da Estrela (ADM Estrela) cumpre 30 anos de existência este mês de dezembro e nasceu no sopé da Serra da Estrela. Inicialmente apenas com as respostas de Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário (SAD). Porém, e fruto da dinâmica e espírito de missão dos seus dirigentes, a instituição tem hoje uma dimensão nacional e internacional, continua a promover projetos inovadores e abre os braços aos desafios mais difíceis da área social.
Nestas três últimas décadas a ADM Estrela cresceu bastante e hoje encontra-se num processo de transição para Fundação Estrela, cujo presidente do Conselho de Administração é Bernardino Gata Silva, enquanto Josefina Almeida é a presidente da Direção da Associação.
“É um processo natural de evolução. Começámos há 30 anos na aldeia de Vale de Estrela, com um Centro de Dia e um SAD, e como qualquer instituição fomos evoluindo”, começa por referir José Almeida Gomes, diretor-geral da instituição, acrescentando: “Hoje, num contexto de distribuição nacional e até internacional, e sendo a instituição muito transversal em termos de valências sociais, com muitos projetos comunitários e interligação com outras instituições, sentimos a necessidade de ter uma postura pública e jurídica mais sólida e sustentável e que é a fundação. Com uma diferença e originalidade, é que todos os associados da ADM Estrela passam a ser curadores da Fundação Estrela”.
Atualmente, a instituição tem pólos em Vale de Estrela (ERPI com 20 utentes, Centro de Dia com 12, SAD com 20, CAO com 20 e Centro Juvenil com 35 jovens), na Guarda (CATL com 70 jovens, Academia Júnior com 70, Jardim de Infância com 25 crianças, Espaço Nov’idade com 40 idosos e Centro de Formação com 67 formandos), Pinhel (Lar Residencial com 24 utentes e CAO com 26), Manteigas (Creche com 15 bebés e Jardim de Infância com 25 crianças), Castelo Branco (Casa de Acolhimento de Jovens com 16 utentes), Lisboa (CATL para jovens adultos onde trabalha com cerca de 70 jovens) e ainda Belmonte, onde tem uma quinta pedagógica. No apoio a todas as estruturas, a instituição conta com um quadro de pessoal de 120 trabalhadores.
“Face à diversidade de respostas que temos, a ADM Estrela não é uma instituição típica”, sustenta o diretor-geral.
“Apesar de toda a diversidade de respostas, a área da deficiência é a menina dos nossos olhos”, acrescenta Bernardino Gata Silva.
“Sempre tivemos uma característica social, solidária e humanista, pelo que quase sempre escolhemos fazer o que era mais difícil. Lares de idosos há muitos e em quase todas as aldeias, agora atuar na área da deficiência e na formação dirigida a público que tem muitas carências já não é qualquer instituição que quer fazer, mas é isso que nós fazemos”, argumenta José Almeida Gomes, que destaca o trabalho desenvolvido na capital: “Por exemplo, o trabalho que desenvolvemos em Lisboa é algo difícil. Podíamos ter criado uma creche num bairro rico de Lisboa, mas não, temos CATL para jovens no Bairro da Serafina e Liberdade, que é um dos bairros mais difíceis”.
E por mais estranho que pareça uma instituição que nasceu no sopé da Serra da Estrela criar uma delegação em Lisboa, para os dirigentes da ADM Estrela isso é apenas a sequência lógica da sua forma de trabalhar em rede e em parceria.
“As coisas acontecem sem darmos conta. Há uns anos tivemos a ideia de criar uma fundação envolvendo grandes empresas em que os jovens da Guarda iam a Lisboa ou ao Porto e os de lá vinham à Guarda. E por determinados cruzamentos pessoais e numa parceria com uma instituição de Lisboa, que já não existe, passámos a dispor de um espaço na capital. O trabalho em Lisboa consiste em desenvolver uma série de atividades, com apoio essencialmente da Câmara Municipal, junto dessa população jovem do Bairro da Serafina e Liberdade, numa atitude de prevenção para os males que todos conhecemos”, explica José Almeida Gomes, ao que Bernardino Gata Silva acrescenta: “Para sermos considerados temos que ser reconhecidos e o reconhecimento que temos é fruto da nossa forma de estar e das ligações e parcerias que estabelecemos”.
Para além das respostas (ditas) típicas, a ADM Estrela investe muito em projetos inovadores na comunidade, como recorda o diretor-geral da instituição: “Aquando do lançamento dos projetos de luta contra a pobreza, a ADM Estrela criou três estrutura a que chamou «Cafés ecológicos», onde não se fumava e não se bebia, era gerido pelos próprios jovens e onde havia acesso livre à internet. Os impactos foram enormes junto da população jovem, que ainda hoje diz ser a «geração dos ecológicos». E foi daqui que nasceu o Centro Juvenil que, no fundo, é um ATL atípico, que desenvolve uma série de atividades que ocupam os jovens e os apoiam no estudo, misturando os da cidade com os da aldeia, sendo que estes são cada vez menos”.
Mais recentemente, a instituição abraçou dois outros projetos inovadores e bastante diferente entre si, mas que, no fundo, têm um objetivo comum: integrar e incluir quem é portador de deficiência.
“O CAVI (Centro de Apoio à Vida Independente) é um projeto, como há mais 29 em todo o país, em que a instituição contrata e forma assistentes pessoais que acompanham no dia-a-dia pessoas com dificuldades, normalmente, pessoas com um grau de deficiência de 60% ou mais e que não conseguem realizar as atividades da vida diária. São pessoas que não são institucionalizadas e que recebem um apoio de 40 horas semanais desse assistente pessoal”, refere José Almeida Gomes.
Por outro lado, e já com uma apresentação pública na cidade da Guarda, a instituição desenvolve desde setembro de 2018 o «Delyramus», um projeto cofinanciado pelo Programa Europa Criativa, que reúne essências históricas e culturais europeias, com atividades dirigidas a grupos com dificuldades de acesso à cultura, tendo como ponto central alguns instrumentos musicais medievais e renascentistas europeus.
Enquanto parceira, a ADM Estrela desenvolveu ateliês artísticos e visitas a espaços culturais, promovendo assim a integração das pessoas com deficiência através da música… medieval.
O trabalho com públicos socioeconomicamente desfavorecidos não faz os dirigentes esmorecer, pelo contrário.
“Somos uma instituição social, pelo que não há nenhum utente que deixe de ter o nosso apoio se não tiver condições financeiras. É claro que, no global, é necessário assegurar a sustentabilidade da instituição. Sabemos que há outras instituições que têm uma melhor solvência financeira do que nós, mas o que fazemos é uma gestão rigorosa, em termos de despesa e desperdício, e temos que conseguir uma receita minimamente equilibrada do ponto de vista das famílias. É neste equilíbrio entre as comparticipações do Estado e as das famílias e os custos que temos que assegurar a sustentabilidade da instituição”, afirma o diretor-geral, que acrescenta: “A saúde financeira está perfeitamente equilibrada, fruto da gestão rigorosa que fazemos. Costumo dizer que temos capacidade financeira para fazer tudo o que fazemos, sendo que só fazemos aquilo para o qual temos capacidade financeira”.
Nesse sentido, a instituição prepara já o futuro, tendo elaborado um plano estratégico de desenvolvimento para 10 anos.
“Este plano envolve uma verba entre os seis e os sete milhões de euros, sendo que estamos já a preparar um financiamento junto das entidades bancárias, com estudos económicos adequados em que se não conseguirmos alguma subsidiação pública, temos que arranjar forma de o concretizar na mesma”, explica, concretizando: “Por exemplo, temos a necessidade de construir uma nova ERPI, mas esta tem que ser sustentável por si, se não estiver na orla da Segurança Social. O nosso próximo lar, se não for construído com apoios públicos, terá que ser na orla do financiamento privado”.
E os projetos imediatos passam pela construção de uma nova ERPI, com capacidade para 40 camas e ainda um Lar Residencial, para entre 20 a 26 utentes, a fim de “dar resposta às solicitações que continuamente chegam à instituição, para além de que os utentes que hoje estão em CAO, com o envelhecimento das famílias, necessitam de um espaço com condições”.
Nesse sentido, a instituição pretende “adquirir uns terrenos onde instalar um Parque da Inclusão, com o Lar Residencial e oficinas para formação profissional, entre outras valências”, revela José Almeida Gomes, que aponta como grande dificuldade a inserção profissional dos formandos com deficiência.
“O grande problema que enfrentamos é a questão da inserção profissional, porque damos muita formação a pessoas com deficiência, mas se não houver mais apoio do Estado muitas destas pessoas serão sempre ostracizadas pela comunidade. Esta é uma luta nossa de há muito tempo. A governação tem que ver esta questão de outra forma e com outra atenção, porque é sempre mais económico para o país apoiar no ensino e na formação e no exercício profissional do que deixar essas pessoas andarem nos circuitos paralelos da sociedade”, afirma.

 

Data de introdução: 2019-12-05



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...