UDIPSS SANTARÉM

Nova Direção quer mais proximidade e acrescentar valor às instituições associadas

A pandemia atrasou a tomada de posse dos novos órgãos sociais da UDIPSS Santarém, o que apenas aconteceu no passado dia 6 de junho. No entanto, a nova equipa já preparava o futuro, sem descurar o apoio às instituições na fase crítica da Covid-19 em Portugal e, em especial, no todo que implicou com a vida das IPSS.
A Direção foi totalmente renovada, sendo agora liderada por Hilário Teixeira, que transita da presidência do Conselho Fiscal.
Para vice-presidente entrou Fernando Ferreira, alguém que vem sector empresarial e que toma o seu primeiro contacto com o Sector Social.
“Queremos ser proativos”, avança o novo presidente que substitui Eduardo Mourinha que esteve à frente da União 16 anos.

SOLIDARIEDADE - Depois de um consulado tão prolongado do anterior presidente da Direção, Eduardo Mourinha, como está e pretende a nova equipa diretiva abordar o futuro?

Hilário Teixeira - Como se sabe o senhor Mourinha foi presidente da Direção cerca de 16 anos e já antes havia sido vice-presidente, mas na prática já presidia à UDIPSS. Digamos que a União cresceu muito à sombra do senhor Mourinha e das equipas que o acompanharam. Eu, por exemplo, acompanhei-o como presidente do Conselho Fiscal desde 2004. Ele, agora, continua a acompanhar-nos, mas como presidente da Mesa da Assembleia Geral. Como somos pessoas diferentes, temos ideias diferentes, percursos profissionais diferentes e, por isso mesmo, pretendemos também um programa diferente. Se vai ser melhor ou pior, o futuro dirá, mas estamos animados de um espírito construtor de uma União que vise fazer aquilo que, na minha ótica, ainda não está desenvolvido nas instituições a nível do país. Ou seja, a noção de que unidas as instituições têm muita força, muita capacidade de intervenção e na sua força reivindicativa perante o Estado. E o que pretendemos é articular as 186 IPSS associadas do distrito. Há ainda duas ou três dezenas que não são associadas, mas que iremos auscultar para saber se querem aderir à União, e procurar criar sinergias em todos os domínios de atividade das IPSS.

E como pensam cativar essas instituições?

Hilário Teixeira - Estamos a fazer um levantamento das instituições em causa e vamos analisar caso a caso para ver em que podemos ajudá-las.

Neste ambiente da Covid-19, a distribuição de EPI deu mais visibilidade à UDIPSS?

Hilário Teixeira - Também, porque esse foi, talvez, o problema que se pôs às instituições com mais acuidade, ou seja, a falta de EPI. Por força do caráter universal da pandemia, houve inicialmente alguma falta desses equipamentos, mas a União a par de outras autoridades e entidades foram atenuando a situação e não houve problemas de maior. Foi ainda criada uma equipa a nível distrital e a técnica da União foi tendo conhecimento dos casos nas instituições e foi fazendo a ponte com as autoridades de Saúde. De resto, não tivemos grandes casos, houve três instituições com pequenos surtos, mas rapidamente as autoridades tomaram mão da situação. Houve ainda mais alguns casos mais preocupantes, mas em lares ilegais. A pandemia também serviu para que as instituições vissem que tem que haver articulação de esforços entre todos.

Fernando Ferreira - A distribuição dos EPI deu visibilidade à UDIPSS junto das associadas, mas antes disso, e principalmente, esta mudança que estamos a iniciar começará por um reposicionamento estratégico da União perante as associadas, as candidatas a associadas e perante todos os parceiros com quem nos relacionamos. Mesmo que não tivesse havido Covid, esta mudança também assenta nessa necessidade de apoiar as instituições. A UDIPSS existe porque existem associadas e, como tal, tem que acrescentar valor ao valor das próprias associadas. Esta questão dita assim parece simples, mas tem alguma complexidade. Uma das preocupações e que temos discutido bastante, mesmo antes de tomarmos posse, é este reposicionamento da UDIPSS perante as associadas em termos supletivos, ou seja, o que é que cabe à União fazer em termos supletivos para, por um lado, acrescentar valor às associadas e, por outro, retirar-lhes algum ónus com apoio jurídico e com formação, por exemplo, que são áreas estruturantes de qualquer organização e que as associadas de per si têm mais dificuldade em fazer caminho. Achamos que compete à UDIPSS reforçar e dar mais apoio. Com este trabalho a notoriedade da UDIPSS, perante as associadas, as não associadas e os parceiros, advém naturalmente. Por isso, prevemos que algumas dessas IPSS não associadas farão um caminho natural de integração, vendo as vantagens que poderão ter sendo associadas.

E que outras linhas de atuação têm pensadas para agregarem as instituições em torno da União?

Fernando Ferreira - A formação é um bom exemplo de aproximação às instituições, mas essa interação e interligação com as IPSS é outra das nossas linhas de atuação, porque realmente assim se justifica. Por exemplo, estamos a fazer as reuniões quinzenais de Direção de forma descentralizada, ou seja, nas instalações das próprias instituições. E estamos a fazer um «plus», isto é, estamos a convidar todas as associadas dos concelhos em que se realizam as reuniões a estarem presentes. Primeiro, para nos apresentarmos e comunicarmos de viva voz o que pretendemos fazer no futuro, mas também para ouvir e auscultar as instituições. Nesta fase, estamos mais a ouvir e menos a falar. E vamos para além disso, pois tencionamos que a nossa técnica faça a ponte com as instituições, não apenas entre elas e a UDIPSS, mas também de forma lateral entre as instituições. E dizer que nesta relação de proximidade estamos já a quebrar barreiras ao nível dos municípios. Já solicitámos reuniões a todos os municípios para nos apresentarmos e a reação surpreendeu-nos por excesso, pois foi muito boa a recetividade. Este será também um fator diferenciador da nossa ação. Estamos principalmente focados nas associadas, mas não só, pois sabemos que todos estes parceiros são essenciais neste trabalho de solidariedade.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2020-09-10



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...