CONSELHO GERAL DA CNIS

Reunião de Fátima abordou ponto da situação do PRR e do PARES 3.0

A CNIS reuniu o seu Conselho Geral, durante o qual foram abordadas diversas matérias do interesse das IPSS associadas.
Assim, na reunião foram dadas algumas informações sobre o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência, apesar, de como disse o padre Lino Maia, “não haver muitas informações!
Tendo já terminado as candidaturas para a Mobilidade Verde, o presidente da CNIS informou que houve um total de 1505 candidaturas (1.257 para a tipologia 1 e mais 248 para a tipologia 2), com um valor total de 37.419.000 euros.
“Entretanto, as instituições receberão informação sobre o estado da candidatura, mas há a expectativa de que quase todas sejam contempladas”, referiu o padre Lino Maia, acrescentando que “houve a expectativa de serem abertas candidaturas para transportes para outras valências, mas tal não aconteceu”.
O presidente da CNIS comunicou ainda aos conselheiros que, de momento, “não há capacidade dos construtores de automóveis para responder aos pedidos já feitos”.
Depois, referindo-se a três marcas em específico – Renault, Mercedes e Peugeot –, disse que “para o preço seja mais reduzido e conseguirem um preço de frota, as instituições associadas da CNIS têm de fornecer o NIF à CNIS, para esta o fazer chegar às marcas e assim as instituições poderem beneficiar do preço de frota”.
Por outro lado, o padre Lino Maia informou que “vão surgir, até ao final do ano, novos avisos para construção de creches, ERPI, Centros de Dia e Residências Autónomas” e, “até ao final de janeiro, haverá avisos para acessibilidades, algo muito importante para as instituições”.
No sentido de apoiar as instituições nas candidaturas, a CNIS pretende realizar quatro webinars, antes do fecho das candidaturas para construção e alargamento da rede de equipamentos e respostas sociais.
Agregada à questão do PRR surgiu a do PARES 3.0 e das candidaturas que não foram contempladas. A informação que tem circulado é que estas candidaturas rejeitadas entrariam diretamente no PRR, mas não é bem assim.
“Tenho quase a certeza de que as candidaturas têm de ser repetidas, mas isso ainda será esclarecido”, sustentou o presidente da CNIS.
A fechar este tema, Eleutério Alves, vice-presidente da CNIS, deixou um alerta: “Não nos vamos centrar e distrair com o PRR, porque temos aí o 20/30 que tem mais dinheiro para o Sector Social e um prazo de execução mais alargado”.
Durante a reunião foi ainda apresentado um resumo do Plano de Atividades da CNIS para 2022, a colocar a discussão e votação na Assembleia Geral, agendada para o próximo dia 27 de novembro, e que, dentre as muitas iniciativas previstas, destacamos a celebração do Dia da CNIS, a 15 de janeiro, da realização da XV Festa da Solidariedade, cuja proposta é para que aconteça em Viana do Castelo, e de um Congresso, em fins de maio, subordinado ao tema «O Sector Social: princípio(s), meio(s) e fins».
A CNIS pretende ainda realizar reuniões com as Uniões Distritais e Regionais e com as Federações, para além de promover um encontro de reflexão sobre o Modelo de Apoio à Vida Independente e de quatro webinars sobre a gratuitidade da creche.
Sobre esta matéria, tem havido algumas ações de acompanhamento da Segurança Social para avaliar a situação no terreno e, segundo foi reportado à CNIS, foram identificadas algumas irregularidades.
De momento há 1.857 instituições da CNIS com acordo de cooperação para a resposta de creche e foram alvo dessas ações do ISS um total de 305 acordos, abrangendo um universo de 2.385 processos individuais de crianças. Segundo a Segurança Social as irregularidades verificadas prendem-se com cálculo/escalão do rendimento per capita mensal estar incorreto, as IPSS aplicam comparticipações familiares em valor fixo/arbitrário/acordado com a família para cada escalão, as IPSS declaram comparticipações familiares à Segurança Social Direta em valor superior ao real e que as IPSS cobram mensalidades a crianças abrangidas pela gratuitidade, aplicando um valor superior ao calculado.
As instituições que incorreram nestes erros terão agora um tempo para corrigir e ser alvo de nova avaliação por parte do ISS, já em janeiro.
As irregularidades, a confirmarem-se, implicam a devolução dos valores recebidos indevidamente.
Para obstar a esta situação, a CNIS propôs, na Comissão Nacional de Cooperação, pediu mais tempo para analisar os dados apresentados no passado dia 3 de novembro, sugerindo que a nova visita não acontecesse já em janeiro, mas lá para abril, para dar tempo a que a CNIS realize os quatro webinars previstos para esclarecer estas matérias junto das instituições. O ISS informou que este adiamento carece de aprovação da Secretaria de Estado da Ação Social.
Relativamente à situação pandémica, padre Lino Maia lembrou que há, à data de 8 de novembro, 42 surtos em IPSS, que não apenas associadas da CNIS, pelo que “é preciso não baixar a guarda e não facilitar demasiado nas vistas e saídas nos lares”.
Por outro lado, os conselheiros ficaram a saber que o Conselho Geral vai ser alargado com a entrada de duas federações. A Solicitude - Federação dos Centros Sociais e Paroquiais e Outras Entidades Canónicas de Ação Sócio-Caritativa, Formação, Ensino e Saúde, que já entregou a candidatura formal, enquanto a FITI – Federação das Instituições da Terceira Idade, que formalizará a sua em breve.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2021-11-09



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...