EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Que tem o Natal a ver com as IPSS?

O Natal, enquanto acontecimento histórico, é inegável. Há evidências apresentadas por investigadores, nomeadamente, nas áreas da historiografia e arqueologia que o atestam. É tão real e de uma importância singular que deu início a uma viragem na história da humanidade, tendo-se a mesma dividido em duas eras: a antes e a depois de Cristo. Sabe-se que Jesus teria nascido na ocasião em que «saiu um édito da parte de César Augusto para ser recenseada toda a terra. 2Este recenseamento foi o primeiro que se fez, sendo Quirino governador da Síria.» (Cf. Lc 2, 1-2). Isto mesmo o atesta Flávio Josefo um investigador, não cristão, dessa época. Os demais factos deste acontecimento narrado na Bíblia exigem uma abordagem mais exegética que não é relevante para a reflexão que pretendo apresentar. Verdade histórica é, também, que o nascimento de Jesus de Nazaré não se deu a 25 de dezembro. É que a descrição do evangelista Lucas refere que «havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam os seus rebanhos durante as vigílias da noite.» (Cf. Lc 2,8). Naquela região, como nas nossas, nos meses de inverno, costuma haver chuva e frio, condições inapropriadas para os pastores não deixarem nos apriscos, durante a noite, os seus rebanhos. A palavra Natal e uma qualquer data específica do dia do nascimento de Jesus, não são referidas nas descrições evangélicas, bem como nunca houve alguma certificação pelos peritos sobre estas informações. O que se sabe é que o nascimento de Jesus só se começou a celebrar pela Igreja Católica desde o século IV, para contrapor a maior festa pagã que era dedicada ao “deus sol”, assinalada aquando do solístico de inverno. Para os cristãos, quem veio dar luz e calor verdadeiros às suas renovadas formas de viver foi Jesus Cristo. Etimologicamente, como sabemos, a palavra “natal” tem a ver com nascimento. Sempre que se refere ao de Jesus escreve-se com letra maiúscula. É importante, porém, saber que a maior festa cristã é a Páscoa e não o Natal.

Mas que tem o Natal a ver com as IPSS, os seus dirigentes e beneficiários? Muito. Vejamos a partir de alguns dos factos.

José e Maria, mesmo tendo percorrido uma longa distância para cumprirem uma ordem política e de interesse social, não se abstiveram de o fazer, pois, à partida, para eles era um dever cívico. Fizeram-no, quiçá, com pouco entusiasmo por terem a perceção de que aquele recenseamento, mais que um objetivo de conhecimento demográfico, poderia ter interesses na ordem da estratégia política ditatorial instaurada pelo Império Romano. As IPSS, e as suas diferentes missões, existem por imperativo de cidadania. É uma forma dos cidadãos cooperarem com os que estão investidos do encargo de governar num âmbito global. Nenhum dirigente de uma IPSS, por isso, deve dizer que faz o que deveria ser feito pelo Estado. Se tem plena convicção disso, a sua principal obrigação é fazer com que as autoridades públicas cumpram as tarefas que lhes estão, exclusivamente, atribuídas. Vejo a existência das IPSS e a dedicação dos que as dirigem, bem como os apoios concedidos pelo Estado, através deles, aos cidadãos como uma missão de cidadania e uma forma de assegurar a vitalidade da democracia participativa. É imperioso que se assuma, nesta área, o Estado como um parceiro e não como detentor da tutela das IPSS, para que a relação mútua seja de cooperação e não de dependência, senão daquela que for acordada, livremente, por ambas as partes.

Como já referi, talvez Maria e José não estivessem muito convencidos da bondade daquela obrigação, mas sentiam não ter voz nem lugar suficientes para expressarem as suas dúvidas e discordâncias. Nasceu-lhes um filho com esses dotes que não deixou de os utilizar em favor dos mais débeis da sociedade do seu tempo. É esta a outra missão dos dirigentes da IPSS, ou seja, dar voz e oportunidade de maior qualidade de vida a quem não a tem e, sempre que necessário, exigir das autoridades públicas as condições necessárias para fazerem bem, o bem que devem fazer. As IPSS não existem só para apoiar os cidadãos mais desfavorecidos, pois seria um contributo para a distinção de classes e acentuar as desigualdades sociais. Mas estão, preferencialmente, atentas às necessidades dos mais fragilizados.

O nascimento de Jesus não deveria ter sido fácil. Os recursos foram escassos. As condições muito frágeis, o apoio mais humano e seguro foi o de José. Mas, mesmo que a presença dos pastores possa ser um facto com pouca consistência histórica e mais de natureza teológica, assim como o da visita dos Magos do Oriente, vale a pena olhar para estas duas narrações como formas de parcerias efetivas e sinceras. Outra realidade a que as IPSS não podem ser indiferentes. Nada se consegue, com eficácia e eficiência, sem cooperação, venha ela de mais perto ou mais longe. Com o apoio reforçado por um conjunto de parceiros mais pobres e outros mais abastados, a Família de Nazaré sentiu-se mais sustentável.

Por fim, o nascituro, a quem foi dado o nome de Jesus, veio a tornar-se num cidadão interventivo, nada acomodado, mas sempre aberto a possibilidades novas que tornassem mais livres, capacitados e solidários os seus concidadãos, firme nas suas convicções, mas sempre aberto ao diálogo, gritou contra todas as formas de injustiças e opressões. Sofreu incompreensões, ataques ignóbeis, suspeições até vir a ser assassinado, mas nunca foi infiel à sua missão.

Outros aspetos deste acontecimento marcante da história se poderiam relacionar com a identidade, valores e missão das IPSS. Mas estes são já suficientes para que consigamos, em cada dia, nas nossas IPSS fazer com que seja sempre Natal.

 

Data de introdução: 2021-12-09



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...