JOSÉ COSTA, PRESIDENTE DA UDIPSS VISEU

Formação de dirigentes e trabalhadores tem sido a grande aposta em 21 anos de existência

A 16 de novembro de 2001, em Assembleia Distrital das IPSS viseenses, era criada a União Distrital das IPSS (UDIPSS) de Viseu. José Costa é o presidente da estrutura intermédia da CNIS que, atualmente, congrega 160 instituições do distrito. A formação de dirigentes e trabalhadores tem sido a grande aposta da União Distrital ao longo destes 21 anos, sem descurar o apoio, nas mais diversas áreas, às instituições associadas. Disso mesmo dá aqui conta o líder da UDIPSS Viseu.

SOLIDARIEDADE - Quais os principais marcos nestes 21 anos de história da União Distrital?
JOSÉ COSTA - Podemos considerar o processo formativo para os trabalhadores em geral das IPSS do distrito de Viseu, assim como dos seus dirigentes e diretores-técnicos, que tem decorrido ao longo dos anos e ainda em curso. Eventos temáticos da maior importância com muita participação de todos os colaboradores e dirigentes das IPSS. Apoio às associadas durante a pior situação do Covid-19 e ainda apoio jurídico, contabilístico e administrativo permanente.

Que balanço faz do legado que recebeu dos seus antecessores?
Foi um legado muito fácil de gerir, mas exigente, porque os meus antecessores eram pessoas muito competentes e dedicadas à causa.

Quais os maiores obstáculos à ação da União Distrital?
Como é do conhecimento geral, as UDIPSS vivem exclusivamente das quotas das suas associadas e, por isso, estão limitadas a pequenos orçamentos para poderem fazer mais em prol das suas associadas.

Quais os grandes desafios para a UDIPSS no presente e, em especial, no futuro?
Costuma dizer-se que o futuro a Deus pertence, mas as pessoas que vestem a camisola da solidariedade enfrentam sempre o futuro de forma positiva, com muita esperança e com uma gestão diária dos obstáculos que vão surgindo no caminho. Por outro lado, dar continuidade ao processo formativo com o fim de capacitar os dirigentes e os colaboradores para a melhoria do serviço prestado aos utentes e familiares.

Como caracteriza a relação da União com as IPSS associadas?
A relação com as associadas tem sido exercida de forma totalmente transparente e com muita confiança entre as partes.

Como é o relacionamento com a CNIS? Em que pode ser melhorado e potenciado em favor das IPSS associadas?
O relacionamento com a CNIS tem sido muito correto, cordial e completamente transparente.

Pensam celebrar o 21º aniversário de alguma forma particular? Se sim, o que pretendem fazer?
Não temos previsto nada em especial porque estamos a apontar algo a realizar para 25º aniversário, em 2026.

 

Data de introdução: 2022-12-19



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...