CARLA VERDASCA, PRESIDENTE DA UDIPSS LEIRIA

É um desafio constante defender os direitos das instituições associadas

A União Distrital das IPSS (UDIPSS) de Leiria, criada em 15 de dezembro de 2001, representa, no presente momento, mais de 130 instituições que por todo o distrito, a quem ao longo destes 21 anos tem prestado apoio, especialmente, informativo e formativo. No cargo desde 2020, caindo-lhe logo no colo todo o imbróglio que foi (tem sido) a pandemia de Covid-19, a presidente da UDIPSS leiria, Carla Verdasca, não esmorece e afirma querer enfrentar esse “desafio constante” que é “a defesa dos direitos das associadas”.

SOLIDARIEDADE - Quais os principais marcos nestes 21 anos de história da União Distrital?
CARLA VERDASCA - Um dos marcos pensamos ter sido a mudança de instalações, o que permitiu receber as associadas e fazermos muita formação para as mesmas. E este é outro marco, o proporcionar informação, formação e esclarecimentos perante as muitas dúvidas que surgem.

Que balanço faz do legado que recebeu dos seus antecessores?
O balanço é positivo e construtor daquilo que foi dar continuidade ao trabalho feito anteriormente. Quando a atual Direção iniciou funções, em dezembro de 2020, vivíamos uma fase muito difícil em todas as áreas com a pandemia e o foco foi logo esse.

Quais os maiores obstáculos à ação da União Distrital?
Talvez a divergência de opiniões vindas da CNIS e que, depois, na prática dificulta a ação da União Distrital.

Quais os grandes desafios para a UDIPSS no presente e, em especial, no futuro?
Os grandes desafios passam por conseguir dar resposta às associadas face a toda a conjuntura económica que se vive, às inseguranças que estão a surgir e ainda refletir muito nas estratégias futuras para salvaguardarmos a continuidade de muitas IPSS. Desde atualizações de tabelas salariais, aumentos de custos na alimentação e da energia, falta de vagas, falta de recursos humanos, tudo isto nos preocupa num futuro muito próximo. A presença e representação da União Distrital em várias entidades é um desafio constante para desfesa dos dirteitos das associadas.

Como caracteriza a relação da UDIPSS Leiria com as IPSS associadas?
Consideramos ser uma relação de proximidade e de entreajuda. Procuramos, por um lado, contribuir em algumas necessidades das associadas relativamente a questões que as inquietam e, por outro lado, conseguirmos observar a forma como atuam e respondem perante essas mesmas necessidades.

Como é o relacionamento com a CNIS? Em que pode ser melhorado e potenciado em favor das IPSS associadas?
O relacionamento é de respeito e de trabalho. As equipas precisam de se reunir, trocar ideias, discutir opiniões e chegar a conclusões de forma a que as associadas tenham respostas concretas e objetivas. Estes momentos de troca de informação devem acontecer mais vezes e por distrito, pois cada um tem as suas especificidades.

Pensam assinalar o 21º aniversário de alguma forma particular? Se sim, o que pretendem fazer?
O aniversário coincide sempre com uma época festiva muito trabalhosa e importante o que tem vindo a dificultar a sua celebração. Contamos enviar às associadas e parceiros uma informação sobre o aniversário e divulgar nas redes sociais uma mensagem da Direção.

 

Data de introdução: 2022-12-19



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...