Depoimento

maia@paroquia-areosa.pt

A CNIS, em situação de pré-Congresso, sugere-me para esta coluna mensal, que com todo o gosto aceitei subscrever, a prestação de um depoimento através do qual me quero associar a este momento tão importante para a vida da CNIS e das IPSS que a constituem, enquanto FAMÍLIA DA SOLIDARIEDADE.

Tenho acompanhado com atenção e agrado os preparativos para o Congresso que será, simultaneamente, de Debate e Reflexão social e também de eleição dos novos Órgãos Sociais para a Confederação. Permito-me confessar a tantos amigos dirigentes com quem durante vários anos partilhei momentos mais fáceis e mais difíceis da então UIPSS a consciência que tenho da importância deste acontecimento, dado o "tempo" e o "momento" em que o Congresso se realiza.

Felicito o Conselho Directivo Nacional e a Comissão Organizadora do Congresso pelo apelo à participação de TODOS tanto para o DEBATE DOS TEMAS como para o PROCESSO ELEITORAL.
Imagino, talvez melhor que ninguém, as dificuldades que os membros do Conselho Directivo da CNIS terão sentido nesta fase de "nascimento" da CNIS, em substituição da UIPSS. A deliberação de apresentar uma Lista Institucional a eleições significa uma atitude de responsabilidade, a garantia de que o "poder não cairá na rua" por falta de pessoas que se prestem a levar por diante este projecto que, há muitos anos, em boa hora, os fundadores da UIPSS entenderam concretizar.
Naturalmente que o facto de haver uma Lista Institucional não deve inibir a apresentação de outras listas, de forma a que as associadas possam fazer uma escolha mais esclarecida e livre.
Seja qual for o evoluir do processo eleitoral e a eleição dos novos Órgãos Sociais, espero que a CNIS saiba preservar o maior património que herdou da UIPSS, a saber: a UNIDADE na diversidade, a INOVAÇÃO e uma ARTICULAÇÃO DE RESPOSTAS SOCIAIS EM PARCERIA com outros actores de desenvolvimento sócio-local na prevenção e combate a todas as formas de pobreza e exclusão social que começam a impressionar tanto pela dimensão como pela complexidade com que se têm vindo a manifestar.

A situação do País reclama, por um lado, que a CNIS seja e esteja de SENTINELA para que as pessoas, famílias e comunidades em situação de carência social tenham acesso aos direitos sociais, confiando nas IPSS como suas mediadoras de solidariedade entre os que mais podem e os que mais precisam e, por outro, cada IPSS se assuma como um EXÉRCITO ORGANIZADO que, no terreno, faz a guerra à Pobreza e à Exclusão social.

Vamos a isso. Na verdade da Pobreza mora a força da Fraqueza.

 

Data de introdução: 2006-02-15



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...