OBRA DIOCESANA DE PROMOÇÃO SOCIAL

Ceia de Reis

Reuniram-se, no dia 14 à noite na Quinta da Igreja (Fânzeres), cerca de 400 convidados para a Ceia de Reis da Obra Diocesana de Promoção Social (ODPS). A quase totalidade dos presentes, trabalhadores dos 12 Centros Sociais da Obra e Serviços Centrais, existentes na Cidade Invicta, representaram 86% do n. actual de trabalhadores na ODPS (= 450).

Os restantes, próximo de 40, eram entidades e personalidades da nossa Sociedade, nos quais se destacam o Vigário Geral da Diocese do Porto, Pe. Dr. Américo Aguiar (em representação do Sr. Bispo do Porto); a Vereadora da Acção Social da C. M. Porto, Drª Matilde Alves; a Governadora Civil do Porto, Drª Isabel Oneto; o Director Adjunto da Segurança Social, Dr. Luís Vale; o Ecónomo da Diocese do Porto, Mons. Cón. Virgílio Resende; o Presidente do Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa, Prof. Doutor Carvalho Guerra; o Médico Jubilado e Membro da Comissão Pontifícia para a Vida, Prof. Doutor Daniel Serrão; e o Presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, Pe. Agostinho Jardim Moreira, entre muitos outros.
Após a Ceia, o jovem Roberto Leão, estudante de Sociologia, proporcionou-nos um excelente momento musical, criando um maior entusiasmo na sala, iniciando a sua interpretação a solo, voz e guitarra, com grandes clássicos portugueses, como “Feiticeira” e “Porto Sentido”. Depois doutros temas, também internacionais, finalizou com “Paixão”, colocando ao rubro a maioria dos presentes. Aí todos cantaram a uma só voz.

O momento seguinte, do Presidente do Conselho de Administração da ODPS, Sr. Américo Ribeiro, foi firmado com um forte e sentido aplauso geral. Referiu-nos que “Falando da Obra Diocesana, teremos de elevar forçosamente o seu objecto central, isto é, reconhecer e cuidar das pessoas, daquelas que mais precisam, promover o seu bem-estar, a melhoria das suas condições de vida, a sua consciencialização e integração equilibradas e felizes, tanto quanto possível, na comunidade à qual pertencem ou onde se encontram inseridas. Quanto melhor se organizarem e quanto mais eficazmente trabalharem mais facilmente encontrarão a satisfação e auto-estima do dever cumprido e melhores serão os resultados nas múltiplas vertentes da Obra Diocesana. São as pessoas que fazem e farão a sua diferença. A diferença que preconiza e dá resposta às exigências e modificações constantes da actualidade, às necessidades prementes de cada contexto … surge pela QUALIDADE e pelo SUCESSO – factores que têm implícitos os talentos individuais, as capacidades, os saberes específicos e gerais e as competências, nestas destacam-se as humanas…”. Terminou, depois, o seu discurso, sempre com grande eloquência: “Prova inequívoca deste acreditar é a receptividade que teve este encontro, é a presença em massa de todos vós. É e será imparável o seu crescer. Hoje vive-se Obra Diocesana. Hoje trabalha-se com alegria! Hoje vivemos em família! Hoje somos nós!”

Houve, se seguida, um momento de Dedicação ao Bispo do Porto, D. Armindo Lopes Coelho, pela pessoa que é e pela forma como apadrinha esta Obra. Depois, houve um momento de Reconhecimento ao anterior Conselho de Administração, que teve como Presidente o Dr. Bernardino Chamusca. E houve, ainda, um momento de Gratidão às 6 senhoras que completaram em 2005 as suas bodas de prata ao serviço da Instituição, assim como à Drª Susana Vasconcelos, por ter criado o logótipo da ODPS.

Antes das intervenções, distribuíram-se os presentes: o prato de Natal 2005 da Vista Alegre e o Periódico Informativo da ODPS, “Espaço Solidário”, no seu nascimento, dirigido por André Rubim Rangel.

Primeiramente, escutamos o Dr. Luís Vale, que apontou o facto da beleza da Ceia. “Reis Magos significa dar, dar o melhor que têm. Assim é com a ODPS, que dá o melhor que tem a crianças necessitadas. A pobreza provavelmente vai acentuar-se. Temos na Europa 60 milhões de casos, para além de muita riqueza. Isto tem que ser invertido. Há já quem fale da «globalização da pobreza». Isto não está a traduzir-se para o bem-estar do mundo.” Concluiu, agradecendo à ODPS, “ainda bem que existem Instituições como esta para ajudar a reduzir essas situações”.
Depois interveio a Drª Matilde Alves dizendo: “A cidade do Porto agradece profundamente o trabalho da ODPS. Contem connosco em tudo o que possamos fazer”. De seguida, a Dr.ª Isabel Oneto destacou os momentos de vida tidos nesta Ceia e afirmou que “o estado social só se pode construir em parcerias com a comunidade civil”.

Por fim, o Pe. Dr. Américo Aguiar, comunicou que “O Sr. Bispo deseja a todos Bom Ano e agradece o trabalho de todos. Quer também que sintam de novo a confiança, o apoio e a oração. Hoje, é em homenagem aos obreiros, que sois vós, que desejo que os Reis Magos sejam um desafio na vossa vida”.

Foi, de facto, uma noite cheia de festa, vida e alegria.

 

Data de introdução: 2006-02-15



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...