AJUDA DE BERÇO

Telefone para ajudar - 760 300 410

Durante o mês de Julho registaram-se 1267 chamadas para a linha telefónica da Ajuda de Berço, o que se reverteu em mais de 500 € para ajudar as crianças apoiadas por esta instituição.

“É uma excelente notícia para nós. A linha telefónica da Ajuda de Berço revelou-se um grande sucesso, e em apenas um mês deu para perceber claramente o espírito de ajuda dos Portugueses”, afirma Sandra Anastácio, Presidente e Fundadora da Ajuda de Berço.

A linha telefónica 760 300 410, em que cada chamada vale 60 cêntimos + IVA (que revertem totalmente a favor da Ajuda de Berço), está operacional em permanência para que todos possam ajudar a que as crianças apoiadas por esta instituição tenham uma vida mais feliz.

Foi no âmbito da comemoração do Dia da Criança que a Jazztel ofereceu à Ajuda de Berço esta linha telefónica, em que ao ligar para o 760 300 410, se ouve do outro lado da linha “Obrigada por ajudar as crianças da Ajuda de Berço!”

A Ajuda de Berço, fundada em 1998, acolhe crianças dos 0 aos 3 anos, necessitadas de protecção urgente, face a situações que as coloquem em risco, tais como maus tratos, abusos sexuais, pais alcoólicos ou toxicodependentes, prostituição, falta de lar ou abandono.
A Ajuda de Berço nasceu na sequência das necessidades sentidas por um grupo de profissionais - médicos pediatras, sociólogos, enfermeiros, psicólogos, técnicos de serviço social e juristas - para dar resposta aos problemas das crianças em risco, situação de abandono e vítimas de exclusão social.

Sede Social e Centro de Acolhimento (Alcântara)
Av. de Ceuta, nº 51 – r/c
1300-125 Lisboa
Telefone: 21 362 82 74/6/7
Fax: 21 362 82 75

E-Mail: ajudadeberco@ajudadeberco.pt
In site: http://www.ajudadeberco.pt/index_pt.html

 

Data de introdução: 2006-09-29



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...