EDUCAÇÃO

Igreja Católica apela ao consenso e quer cultura de exigência para o sector

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apelou ao consenso na educação e a uma cultura de exigência no sector, considerando que as tensões actuais prejudicam os alunos. "Acompanhamos com interesse e alguma preocupação a situação dos professores, como grupo mais decisivo para o futuro de Portugal", e "temos grande estima pela sua acção", afirmou o porta-voz da CEP, D. Carlos Azevedo, que, no entanto, não quis tomar posição sobre a polémica que divide os docentes e a tutela.

Considerando que a sociedade deve assegurar "esse reconhecimento da sua função de professores", o prelado salientou a necessidade de uma "cultura de exigência que deve nortear a sociedade portuguesa" também nesta área. "A Igreja (Católica) não pode deixar de acompanhar toda esta polémica", mas "não queremos tomar uma posição mais detalhada porque o assunto é muito complexo", disse D. Carlos Azevedo, que remeteu para mais tarde a divulgação de uma tomada de posição oficial sobre esta questão.

"O Papa Bento XVI publicou um documento sobre a crise emergente de educação" que "é um assunto muito complexo" e a "cultura da exigência não deve estar ausente deste campo e da actividade educativa", considerou o porta-voz da CEP, cujo Conselho Permanente esteve hoje reunido em Fátima.

A tensão existente é algo que "não é bom" para os estudantes e o "que está em causa säo os alunos", que "devem ser o motor de todo o processo" de renovação do sector, acrescentou. A CEP esteve também a debater vários "assuntos de ordem interna", de preparação da Assembleia Plenária dos bispos, agendada para Abril.

11.03.2008

 

Data de introdução: 2008-03-12



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.