CHAMA DA SOLIDARIEDADE

Para o ano o destino é Castelo Branco

No dia 19 de Setembro, no Campo da Feira de S. Mateus, em Viseu, com a participação do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, do Bispo de Viseu e do Presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, decorreu a terceira Festa da Solidariedade. Participaram ainda alguns milhares de pessoas representando cerca de 100 IPSS.

Foi um dia animado, com muita alegria, música e cor. As Instituições fizeram-se representar também com mais de 30 stands de vendas e exposições dos trabalhos realizados pelos utentes e trabalhadores.
O objectivo inerente à Chama e Festa da Solidariedade pauta-se pela promoção do encontro entre as instituições, os organismos públicos, as entidades privadas e as pessoas que fomentam a Solidariedade, as que dela dependem e as que a ela se associam diariamente.
A itinerância da Festa pretende mostrar que a “Solidariedade não se pratica apenas no litoral e nas periferias das grandes cidades, mas que no interior há manifestações de solidariedade espantosas que devem ser valorizadas”.
Ali foi anunciada a próxima Festa da Solidariedade que, em 2010, será em Castelo Branco.

UM TESTEMUNHO

Braga, 15 de Setembro de 2009, uma centena de crianças lançaram a Chama da Solidariedade para a sua segunda grande caminhada, desta vez até Viseu. Estiveram presentes representantes de entidades Civis e Religiosas que realçaram o significado solidário desta iniciativa.
O trabalho solidário desenvolve-se ao longo de todo o ano de forma discreta, esta iniciativa deu visibilidade a todo este empenhamento desenvolvido nas terras por onde passou, convidou todos a unirem esforços, para que ao longo de cinco dias a Chama se mantivesse acesa passando de mão em mão até Viseu, local onde se realizou a grande Festa da Solidariedade.

Milhares de pessoas, centenas de Instituições asseguraram este objectivo, com a participação das entidades oficiais locais e de muitas outras organizações que aceitaram o convite para participar neste evento.
Foi assim de Braga a Chaves, de Chaves a Vila Real, de Vila Real a Lamego e de Lamego a Viseu, a Chama foi embalada pelo amor e dedicação de milhares de mãos, sentiu o calor, a paixão o empenhamento e a alegria de todos, chorou de emoção e riu muito, sentiu que naquela gente, existe uma vontade muito forte de estarem juntos e uma capacidade enorme de serem solidários.
A todos, a Chama agradece.
Para o ano que vem, a Chama partirá de Viseu com destino a Castelo Branco, passará pela Guarda, Covilhã e Fundão, mobilizará novamente milhares de pessoas e cumprirá o seu objectivo de as unir a todas.

João Carlos Dias, coordenador da Chama da Solidariedade

 

Data de introdução: 2009-10-20



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...