PSP REVELA

Insegurança leva quase 4000 a pedir armas de defesa

Em pouco mais de dois anos quase quatro mil portugueses sentiram que precisavam de uma arma de defesa pessoal. A insegurança é transversal à sociedade, a avaliar por uma análise da PSP sobre os requerimentos que recebeu, segundo as profissões dos candidatos. Os comerciantes lideram a tabela. A nova lei é muito mais exigente na emissão de licenças.

Quase quatro mil portugueses estão a aguardar licença de uso e porte de arma de defesa pessoal. Os requerimentos - 3774 para ser exacto - vêm de praticamente todos os sectores profissionais. Uma análise feita pela PSP em exclusivo para o DN mostra, no entanto, que são os comerciantes a liderar a tabela.

As estatísticas disponíveis não permitem saber com rigor se o aumento da criminalidade fez disparar os pedidos de armas, pois só desde o ano passado, com o arranque do novo Sistema de Informação e Gestão de Armas e Explosivos (SIGAE) da PSP, os processos estão centralizados e permitirão fazer análises comparativas de dados.

De qualquer forma, o Observatório Permanente sobre a Produção, o Comércio e a Proliferação de Armas Ligeiras espera que a a PSP indefira a maioria das solicitações.

Segundo números oficiais desta força de segurança - autoridade que tem a competência exclusiva deste licenciamento - existem em Portugal 29 mil licenças atribuídas para porte de arma de defesa. Desde 2006, ano de publicação da nova lei das armas, que não são emitidas licenças. A legislação passou a obrigar os candidatos a frequentarem um curso de formação (ver texto em baixo) que só este mês vai começar. Os 3774 pedidos deram entrada, pois, nos últimos dois anos.

De acordo com a PSP, "as profissões que poderão facilitar o acesso a arma de fogo são aquelas que pela sua natureza têm mais risco" e que "na emissão de licenças é verificada a profissão, como justificativa da pretensão" de uso da arma.

Vasco Melo, da União dos Comerciantes de Lisboa, não fica surpreendido por serem estes profissionais a liderar a tabela. "Se as forças de segurança e as autoridades públicas tivessem meios para impedir os assaltos, provavelmente as pessoas não se armavam", assevera, "o que querem que os comerciantes façam? Que fiquem de braços cruzados à espera que os assaltem e matem?"

O dirigente associativo dos taxistas "desconhecia" que estes profissionais fossem dos que mais procuram armas de defesa, mas não se surpreende. "Sendo a nossa uma profissão de alto risco é compreensível que nos seja facilitada a atribuição de armas pessoais", declara Florêncio Almeida, da ANTRAL.

Quem fica estupefacto é Mário Jorge Neves, da Federação Nacional dos Médicos, profissão em 5.º lugar na lista de espera para a obtenção de licen-ça. "Talvez se tratem de casos de médicos que trabalham em zonas mais iso- ladas no interior, ou nas cidades à noite, que se possam sentir mais inseguros", sugere o dirigente sindical.

A lista das profissões, extensa e variada, mostra que a insegurança é transversal a toda a sociedade.

Fonte: Diário de Notícias

 

Data de introdução: 2009-11-02



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...