OPINIÃO

Estados plurinacionais

Há estados que correspondem a uma nação e há estados plurinacionais. No primeiro caso, há um problema que não os afecta: o da sua unidade. No segundo, e não obstante a riqueza cultural de que podem orgulhar-se, esses estados enfrentam um desafio grave: o das relações institucionais entre as “nações” que o integram. A história mais recente da Europa, sobretudo da Europa de Leste, demonstra como é difícil encontrar uma resposta pacífica para este problema.

Vem isto a propósito da mais recente crise política que atingiu a Bélgica. Uma crise que, certamente, terá solução, mas que já levou alguns observadores a interrogarem-se sobre se aquele país terá futuro. Esta é uma interrogação que vem sendo repetida nos últimos anos, face à ocorrência das inúmeras tensões que têm levado à queda de sucessivos governos, e que se fez ouvir de novo, há dias, a propósito da demissão do primeiro ministro, Yves Laterme. Depois de um curto e difícil período de governação, ele não resistiu a mais uma crise e, a poucos meses de Bruxelas assumir a presidência da União Europeia, este democrata cristão, oriundo da comunidade francófona, apresentou ao rei o seu pedido de renúncia.

Na maioria dos países europeus, as crises políticas têm origem em problemas económicos, mas não é isso que está a acontecer na Bélgica. Segundo informações recentes, o país está mais rico do que antes da famosa crise de 2008. O que está a acontecer neste país é bem mais grave e abrangente, porque é de natureza institucional e põe em causa a própria existência do Estado.
A existência de comunidades culturalmente distintas, dentro do mesmo espaço político, tanto pode ser um factor de enriquecimento como um foco de tensões. É o que tem acontecido na Bélgica ao longo dos anos e veio ao de cima, outra vez, e sempre com a chamada questão linguística.

Os factores culturais mais profundamente definidores de uma comunidade nacional são a História, a Língua e a Religião. Como estado, a Bélgica tem uma história relativamente curta, já que se tornou independente apenas em 1830, fruto de arranjos artificiais das potências europeias de então As duas comunidades que passaram a integrar o novo estado, flamengos e valões, cada uma com a sua área geográfica predominante, tinham e têm a sua própria língua, e isto chegou, desde o princípio, para marcar diferenças e despoletar rivalidades, pesem embora todos os arranjos políticos que a necessidade de preservar o essencial foi inventando. E o maior problema é que o tempo não tem conseguido apagar, ou mesmo diluir, de todo, essas tensões. Bem pelo contrário.

Alguém escreveu, ironicamente, que a unidade da Bélgica assenta em três pilares: a monarquia, a selecção de futebol …e a cerveja. É muito pouco para fundamentar o presente e garantir o futuro de um estado. Há, no entanto, motivos para acreditar que o país tem futuro. A acontecer uma ruptura definitiva entre flamengos e valões, eles só têm duas alternativas: ou tornam-se independentes, ou juntam-se aos vizinhos que falam a mesma língua: os valões, à França; os flamengos, à Holanda.
È difícil acreditar em qualquer das alternativas.

Por António José Silva

 

Data de introdução: 2010-05-06



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...