FAS 2

Sistemas de gestão da qualidade em análise

Perante uma plateia numerosa e interessada, oriunda de toda a região Norte de Portugal, teve início, na passada terça-feira, o FAS 2 – Formação Acção Solidária, subordinado à temática «Gestão da Qualidade no Terceiro Sector», uma acção cujo principal propósito é a qualificação dos dirigentes das IPSS. Nos próximos dois meses, as regiões Centro (Fevereiro) e Sul (Março) receberão reuniões regionais como esta com o idêntico propósito de sensibilizar e qualificar os dirigentes das IPSS para a implementação de sistemas de gestão da qualidade.
“Este é um projecto de Formação Acção, como foi o FAS 1, inserido na medida 3.1.2 do POPH”, começou por explicar, ao SOLIDARIEDADE, Palmira Macedo, uma das responsáveis e assessora da CNIS, acrescentando que este tem algumas diferenças para o programa que terminou em Setembro de 2010: “Mantendo a metodologia de Formação Acção de grande participação de todos os níveis das instituições, queremos dirigir este FAS 2 mais para a implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade e da aplicação dos manuais de Avaliação de Qualidade da Segurança Social”.
O encontro temático regional – Norte realizado no Instituto Português da Juventude (IPJ) de Braga foi aberto a todos os dirigentes da Região Norte, apesar de para este FAS 2 terem sido seleccionadas, pelas Uniões Distritais, apenas 38 IPSS nortenhas, de um total de 76 a nível nacional (de 125 candidatadas), pois a intenção dos promotores é, como assinalou Palmira Macedo, “acções de formação como esta sejam abertas a outras instituições não destinatárias do FAS 2, porque se trata de uma formação geral”.
Objectivo: Sensibilizar todas as instituições para a importância da gestão da qualidade, uma vez que, mesmo não sendo destinatárias do projecto, esta é uma questão que está na ordem do dia e bastante importante para as IPSS.

No auditório do IPJ de Braga, que registou uma enchente transbordante – demonstrativo do interesse que o tema recolhe junto dos dirigentes das IPSS –, como explicou Palmira Macedo: “Vamos desenvolver a primeira acção de formação regional, para os distritos da Região Norte, e dirigidas especialmente aos dirigentes. O que vamos fazer é dar o enquadramento do que é um Sistema de Gestão da Qualidade, do que são os manuais de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais, de como se deve proceder para a sua aplicação em cada uma das instituições. Da parte da tarde, apresentar três casos em que já estão a ser aplicados, quer os Sistemas de Gestão da Qualidade, através da norma ISO 9001, quer os manuais de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais”.
Júlio Faceira Guedes, auditor da APCER, foi o responsável pela explanação do tema «A implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade e de Modelos de Avaliação da Qualidade das Respostas Sociais», enquanto Carla Vasconcelos, gestora comercial da APCER, abordou o tema «O Processo de Certificação».
Depois do almoço, três representantes de outras tantas IPSS deram testemunho de como tem sido, nos últimos dois anos, a vida das respectivas instituições desde que procederam à implementação de sistemas de gestão da qualidade nas mesmas, findos os quais se realizou um pequeno debate.
Terminado o encontro, os dirigentes das IPSS do distrito de Braga seleccionadas para este FAS 2 tiveram a primeira reunião de trabalho, na qual, entre outras coisas, foram calendarizadas as acções em cada uma dessas instituições, que terão agora dois anos para pôr em prática o projecto.
Com a duração de dois anos, o FAS 2 tem âmbito nacional, seguindo-se daqui por, sensivelmente, um mês a reunião regional, em princípio em Fátima, destinada à Região Centro e no início de Março uma outra para a Região Sul.

 

Data de introdução: 2011-01-26



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...