TERRE DE FEMMES 2011

Projecto social vence prémio Yves Rocher

“O meu interesse pela educação ambiental nasce quando em 2007 escolho esta área para realizar o meu estágio curricular. Estive no Complexo de Educação Ambiental da Quinta da Gruta, de Maio a Novembro, sendo responsável, como Engenheira Agrónoma, pela horta pedagógica tendo elaborado um projecto de rotação de culturas para cinco anos”. Este é o momento que Raquel Granja identifica como decisivo para a opção de vida que veio a fazer e que lhe valeu o prémio Terre de Femmes, da Fundação Yves Rocher, de cinco mil euros. A cerimónia de entrega dos prémios decorreu no dia 22 de Fevereiro, na Estufa Real, em Lisboa.

O projecto prevê a “necessidade de uma educação que tenha como finalidade a formação de cidadãos ambientalmente cultos, intervenientes e preocupados com a defesa e melhoria da qualidade do ambiente natural e humano.” Raquel Granja fez, em 2007, esse estágio curricular em Educação Ambiental; em 2008 concluiu a licenciatura e criou o projecto Raízes; em 2009, com a engenheira Cláudia Pimentel, fundou a “Despertar Consciências- Associação Ambiental”. É preciso dizer que Raquel Granja tem apenas 27 anos.
Em 2009/2010 arrancou com o projecto Raízes, criado em 2008 na freguesia de Aldoar, no Porto. “Aldoar é a freguesia onde moro e que conheço praticamente desde que nasci. Aprendi a sentir e a reconhecer os seus problemas e as suas virtudes. Em Aldoar estão localizados os bairros sociais de Aldoar e Fonte da Moura, com uma enorme quantidade de crianças e jovens considerados em risco. Com este projecto senti que podia conjugar uma educação ambiental com uma educação para a cidadania.”

A “Despertar Conciências – Associação Ambiental” deu sustentação ao projecto Raízes que pretende educar, sensibilizar e consciencializar os cidadãos para uma vida de qualidade ambiental e humana.
O público-alvo são crianças, jovens e adultos seniores. A estratégia é passar a mensagem de forma “leve, descontraída e atractiva”, através de actividades que integram o plano de Educação Ambiental e de acordo com o desenvolvimento físico e psicológico de cada grupo, sempre em consonância com o meio envolvente. “As crianças e jovens são sensibilizadas para os problemas ambientais existentes e responsabilizadas por um futuro melhor em que a sustentabilidade é a palavra de ordem. Os adultos seniores ganham uma ocupação e são portadores de uma mensagem ambiental para os mais novos que estejam ao seu cuidado ou no mesmo agregado familiar.” Raquel Granja acredita neste lento trabalho de sementeira nas consciências dos cidadãos. O projecto é desenvolvido nas instituições (escolas, colégios, centros de dia, lares de terceira idade…) de acordo com um programa previamente proposto. É um projecto móvel de educação ambiental. Estão estabelecidas parcerias com a Junta de Freguesia de Aldoar e com instituições, como é o caso do colégio do Sardão, Leya e Ágil. Faz recolhas colectivas de resíduos nos bairros sociais e passa a mensagem em instituições de carácter social em Aldoar e Fonte da Moura, no Porto.

Com as crianças e jovens já foram desenvolvidas actividades de reciclagem manual de papel, oficinas de brinquedos, oficinas de instrumentos musicais, oficinas de fantoches, oficinas de ninhos, agricultura, insectos, herbanária, leguminosas… As actividades com os idosos incluíram mantas e retalhos, chás ecológicos, agricultura de diferentes tipos, velas artesanais, óleos essenciais, reutilização de materiais, flores comestíveis… O limite é a imaginação e a criatividade.

O projecto tem uma vertente social assumida e é dentro dessa área que pretende manter-se. “Há muitas freguesias do Porto que por variadas razões descuidam os cuidados a ter com o ambiente. Educar de forma sustentável é o lema que serve à ambição de alargar horizontes a outras freguesias de maneira a sensibilizar mais crianças, jovens e idosos para solidificar a mensagem. As actividades do projecto têm um custo relativamente baixo em material, formadores e deslocações. O objectivo é acabar com a dependência da ajuda financeira das Juntas de Freguesia e organismos estatais. O Prémio da Yves Rocher vem mesmo a calhar.”
Na sua segunda edição, a Fundação Yves Rocher, através da iniciativa Terre de Femmes 2011, premiou três mulheres portuguesas com projectos distintos na área da sustentabilidade e educação ambiental. O Prémio Terre de Femmes, da Fundaçao Yves Rocher, homenageia as mulheres que se preocupam de forma especial e, tantas vezes, anónima, com o meio ambiente. É organizado em 15 paí¬ses, incluindo Portugal.

O segundo prémio, no valor de três mil euros, foi atribuído a Sí¬lvia Ribeiro e o seu Projecto Cão de Gado através do Grupo Lobo - Associação para a Conservação do Lobo e do seu Ecossistema. O terceiro prémio distinguiu, com dois mil euros, o projecto “Acções Integradas de Investigação, gestão e divulgação das Plantas Invasoras em Portugal”, de Helena Freitas.

 

Data de introdução: 2011-03-14



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...