CONGRESSO

Conclusões do «Rumo Solidário para Portugal»

Nos dias 20 e 21 de Maio de 2011 em Santarém, realizou-se o I Congresso Temático do Sector Solidário, promovido pela CNIS, com a participação de representantes de mais de três centenas de Instituições.
Tendo em conta as comunicações dos conferencistas convidados e de todos os congressistas que se inscreveram para falar, do debate que estas suscitaram e da reflexão realizada, salientam-se as seguintes conclusões e desafios:


I.
A pessoa humana tem que ser encarada como a razão de ser de todas as iniciativas sociais. A economia e a própria sociedade perdem todo o sentido se a pessoa humana não ocupar o primeiro lugar.
II.
Vivemos tempos de profunda crise para a sociedade humana. Crise que obriga a fazer escolhas e a tomar decisões. Crise que é também geradora de responsabilidade e de oportunidade para mais solidariedade, mais eficiência, mais iniciativa social, mais voluntariado e mais participação da comunidade.
III.
O Estado providência nas sociedades mais desenvolvidas está num tempo difícil e numa situação de incerteza. O Estado providência é indispensável na cobertura dos riscos sociais considerados na sua diversidade e heterogeneidade, implicando uma diferenciação positiva na cobertura daqueles riscos.
IV.
A sociedade providência exige mais equilíbrio entre as iniciativas públicas e sociais. Propõe uma real partilha das responsabilidades cívicas e o reforço das sinergias sociais numa dinâmica em rede. Sugere a solidariedade voluntária e a melhor distribuição dos recursos.
V.
Sem mais iniciativa social, numa lógica de subsidiariedade, as situações de crise tendem a agravar-se social e economicamente. É, por isso, urgente um novo Contrato Social com mais capacidade de antecipação dos riscos, mais descentralização e que afecte de uma forma diferenciada os recursos. É necessária uma rede de serviços que produzam bens públicos. Uma rede na qual participem todos os que possam contribuir para a resolução dos problemas humanos da sociedade.
VI.
Perante as múltiplas regras e exigências colocadas às Instituições, algumas delas exageradas e desajustadas é essencial que seja respeitado o princípio do bom senso. O eventual fim da isenção do IVA e do IRC enquadra-se neste princípio. Deve haver mais Estado parceiro e motivador e menos Estado patrão.
VII.
As parcerias entre o Estado e o Sector Solidário devem ter natureza pública, assentar numa confiança recíproca, visar poupar recursos só possível se forem respeitadas as experiências e actuações de proximidade. Proximidade de quem conhece todos os pormenores do terreno social.
VIII.
A excessiva dependência em termos de financiamento do Sector Solidário não facilita a autonomia das Instituições. É necessário encontrar, num quadro de inovação, novas formas de financiamento, nomeadamente através de iniciativas de economia social e de renegociação do QCA – Quadro Comunitário de Apoio.
IX.
É essencial o diálogo e a cooperação dentro do Sector Solidário e das suas Instituições que em conjunto são o motor da acção social, numa lógica de confiança, de novas soluções e de esperança no futuro.
X.
O rumo solidário para Portugal passa pelo aprofundamento do diálogo no seio do Sector Solidário, pelo estabelecimento de compromissos e parcerias, pela criação de redes e por uma visão e confiança construídas nas acções com as comunidades e as pessoas mais necessitadas.


PRINCIPAIS DESAFIOS DO SECTOR SOLIDÁRIO


Das várias intervenções no Congresso salientam-se os seguintes desafios:
1. As Instituições do Sector Solidário assumem-se como pólos de desenvolvimento humano em cada comunidade onde se inserem e interagem. Assumem a educação, a acção social, a prestação de serviços de saúde e o desenvolvimento local, numa lógica de respeito absoluto pelos direitos humanos, pela inclusão social e pelo bem-estar comum;

2. A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) na qualidade de representante das Instituições e do Sector Solidário:
a) Promove e defende os interesses comuns e a identidade das Instituições e do Sector Solidário, face ao Estado autárquico e central e face aos sectores privados da economia;
b) Exige ser reconhecida pelo Estado como representante das Instituições de Solidariedade e do próprio Sector Solidário e como tal ser membro de pleno direito do Conselho de Concertação Social;
c) Defende o princípio da subsidiariedade, encarando-o como princípio fundador da existência, identidade, autonomia, e liberdade das Instituições;

3. Na actualidade, o papel das Instituições do Sector Solidário é determinante numa lógica mobilizadora do voluntariado, das acções de solidariedade e da luta concreta pela inclusão social e pelo bem-estar comum. Para um desempenho eficiente deste papel, impõe-se uma aposta permanente nos grandes desafios da inovação e da qualidade enquanto condição de sobrevivência para fazer bem.

4. A sensibilização de toda a sociedade para os objectivos e acções das Instituições do Sector Solidário é determinante. É preciso que a sociedade em geral e as organizações políticas, sociais, culturais e económicas tenham conhecimento daquilo que somos, daquilo que defendemos e daquilo que fazemos. Este conhecimento passa por processos de comunicação e de marketing, através de meios próprios, com destaque para o instrumento poderoso que é Internet, e através do sistema mediático nos níveis local, regional e nacional, onde devemos ter uma presença activa e estratégica.
5. Grande parte da acção das Instituições do Sector Solidário é de assistência e de resposta aos problemas humanos. Contudo, apesar desta actuação ser naturalmente reactiva, o desafio que se coloca é de sermos capazes de procurar uma actuação proactiva, inovadora e que combata as causas dos problemas, em vez de nos ficarmos pela resposta às suas consequências ou efeitos.

6. A CNIS e o Sector Solidário não se resignam perante as enormes dificuldades do presente. Antes reafirmam o seu compromisso e determinação de trabalho intenso por um mundo solidário, mais justo e mais fraterno. Um mundo onde a liberdade e o respeito pela diversidade humana sejam pilares do bem-estar comum numa sociedade sem excluídos.

Santarém, 20 e 21 de Maio de 2011

 

Data de introdução: 2011-05-23



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...