ADOPÇÃO

Só 800 crianças podem ser adoptadas

Apenas 800 das 10.800 crianças que se encontram em acolhimento institucional e familiar em Portugal poderão um dia ser adoptadas, revelou a responsável pela área social do Instituto de Segurança Social (IPS).

Segundo Maria Joaquina Madeira, este número resultou de um levantamento realizado em 2004 pelo IPS às crianças que se encontram acolhidas em instituições da rede solidária, Segurança Social, Casa do Gaiato e Santa Casa da Misericórdia.

Apesar de inicialmente se estimar a existência de 16 mil crianças em acolhimento institucional ou familiar, este estudo apenas conseguiu identificar 10.800, com idades compreendidas entre os zero e os 21 anos. No entanto, apenas 800 destas crianças estão em condições de ter um projecto de adopção, segundo Maria Joaquina Madeira.

A esmagadora maioria das crianças que se encontram actualmente em acolhimento institucional e familiar nunca serão adoptadas e uma percentagem significativa tem família e deverá voltar para esta. "Cerca de oito por cento das crianças que estão em acolhimento institucional e familiar tem família, à qual deverão regressar, estando os técnicos a trabalhar para isso", explicou a responsável pela área social do IPS.

Segundo Maria Joaquina Madeira, "existe uma desproporção enorme entre a procura [muitos candidatos] e o número de crianças em condições de ser adoptadas".

 

Data de introdução: 2005-04-05



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...