JOSÉ FILIPE LUCAS AO SOLIDARIEDADE:

Stella Maris de Buarcos acolhe bem quem vem

José Filipe Lucas, licenciado em História e responsável pelo Stella Maris de Buarcos, garantiu ao SOLIDARIEDADE que a direcção procura sensibilizar os funcionários e colaboradores para a ideia de que a função principal de uma instituição como esta é "acolher bem quem vem, seja de que condição social for, seja de que país for". O mais importante "é que todos sejam bem recebidos", tanto marítimos e seus familiares como outras pessoas, num espaço de convívio e lazer, criado nos anexos da igreja matriz de São Pedro, por iniciativa do seu pároco, padre Carlos Augusto Noronha, também director Nacional da Obra do Apostolado do Mar.

Buarcos é uma vila urbana, "essencialmente piscatória", com homens ainda ligados à pesca do Alto Mar. No entanto, "vai perdendo esse cunho próprio", porque a pesca está a reduzir-se em todo o País, por força das quotas de pesca estabelecidas pela União Europeia. Mesmo assim, esta vila preserva muitas características da gente do mar, gente esta que se identifica com o seu Stella Maris e com as iniciativas promovidas por esta instituição ligada à Obra do Apostolado do Mar, essencialmente integradas nos projectos paroquiais. 

Aberto desde 1986, o Stella Maris é uma oferta de convívio de relevante interesse, onde sobressai um Bar asseado e decorado com muito bom gosto, com Restaurante anexo de igual nível. Móveis antigos, imagem de São Pedro bem emoldurada a marcar o ambiente que ali se oferece, aguarelas e óleos alusivos ao mar, mesas e cadeiras a condizer com todo um aspecto sóbrio, onde se pode experimentar um bem-estar modelar. Iluminação com suporte de candeeiros decorativos enriquece o estilo, onde não falta uma colecção de jornais e revistas, que se apresentam ordenados em escada, como convite a uma reposição depois da leitura. O SOLIDARIEDADE lá estava, como não podia deixar de ser. 

Na zona de refeições, do mesmo estilo, a louça, os talheres e demais apetrechos de mesa, de boa qualidade, não deixam de ser um desafio a quem chega para saborear os pratos típicos desta região costeira. Os preços módicos são garantia de frequência certa, obrigatoriamente ampliada no Verão. 

O responsável por este Stella Maris paroquial frisou, na entrevista que nos concedeu, que a direcção tem em vista, contudo, "desenvolver um projecto que estenda a sua acção até ao Porto Comercial da Figueira da Foz". As infra-estruturas, "nomeadamente espaço e carrinha, existem, mas faltam condições humanas", referiu José Filipe. Aliás, a "pastoral do porto exige alguns cuidados e os voluntários que se disponibilizarem para a ajuda indispensável, tal como eventuais e futuros empregados, têm de saber falar inglês, porque os tripulantes dos barcos falam essencialmente esta língua", acrescentou. 

Com apenas quatro funcionários para a cozinha, bar e restaurante, o Stella Maris de Buarcos também fornece dormidas, em especial na época balnear, enquanto é ponto de encontro de toda a paróquia, com jovens e menos jovens a aproveitarem esta oferta para se ocuparem em passatempos sadios, à sombra do padroeiro São Pedro. Aos sábados, sobretudo, alguns grupos de pescadores jogam e convivem, em salas próprias, para que se sintam mais à vontade, disse-nos o responsável pela instituição. 

Quem chega depara com um complexo em que sobressai a igreja matriz e o Centro Paroquial, uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com valências para a infância (Creche, Jardim-de-Infância e ATL), onde são atendidas 160 crianças. O exterior, cuidadosamente arranjado, casa muito bem com um interior de semelhante qualidade e do mesmo bom gosto. 

Quanto a respostas sociais para pessoas e famílias da paróquia, José Filipe frisou ao SOLIDARIEDADE que "lhes prestam todo o apoio possível, na linha do encaminhamento para outras instituições da vila, especialmente Cáritas e Misericórdia, com quem colaboram, sempre que necessário". 

O Stella Maris de Buarcos basta-se a si próprio, "porque a filosofia seguida é não gastar mais do que aquilo que se ganha", não havendo qualquer subsídio ou apoio estatal. Mas se ele viesse, seria bem-vindo, pois há o interior do edifício anexo à igreja matriz ainda por acabar, por reais dificuldades financeiras, salientou José Filipe Lucas.

 

Data de introdução: 2005-05-27



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...