CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SAZES DA BEIRA, NA SERRA DA ESTRELA

Carmita e Maria Palmira no clube dos 100+

Em plena Serra da Estrela, o Centro Social Paroquial de Sazes da Beira alberga duas utentes centenárias: Maria do Carmo Sousa, com 103 anos cumpridos, e Maria Palmira Cruz, com 100 anos.
O Solidariedade visitou esta IPSS para conhecer mais de perto as duas senhoras, relatando o seu dia a dia aos leitores do nosso portal. 

Maria do Carmo Sousa, vulgarmente conhecida por Carmita, nasceu a 9 de Setembro de 1901 em Vila Cortez da Serra, concelho de Gouveia. Aqui viveu quase toda a sua vida.
Teve seis filhos, dois dos quais falecidos ainda pequenos, 16 netos, 20 bisnetos e 4 trinetos. Residia no Lar de Fornos de Algodres até ao encerramento deste, em 1999. Nessa altura, juntamente com mais 20 idosos residentes na referida instituição de Fornos, foi transferida para o Centro Social Paroquial de Sazes da Beira, onde se tem mantido, revelando sempre uma grande pujança. 

"É uma utente muito divertida e autónoma: faz as suas próprias refeições, come muito bem e desloca-se sozinha. Apresenta alguma lucidez, sabendo exactamente a sua idade. Pede com alguma regularidade para chamarmos a mãe.
Adora cantar a Oliveira da Serra" - conta-nos a Dra. Carla Nereu, da IPSS serrana. 

Acrescenta mais alguns pormenores sobre o quotidiano de Carmita: "O seu dia a dia é passado assim: levanta-se cerca das 6.30h, vai à casa de banho e veste-se. As funcionárias apenas têm que lhe colocar a fralda. À hora do pequeno almoço bem como ao lanche come 2 pães e café com leite. Não passa sem o seu ’xale’, como ela própria diz e sem o seu avental, chegando a ir buscá-los à sala da roupa. Quando sente sono vai-se deitar, despe-se toda, tira a fralda e, se sente fome, volta a levantar-se para ir comer. 

Adora andar na cadeira de rodas a que chama carrito. É impossível obrigá-la a fazer o que quer que seja, faz apenas aquilo que quer".
Comprovámos isso mesmo nos minutos que passámos em sua companhia. Interrompeu o lanche para vir, pelo seu próprio pé, para o hall onde tirámos algumas fotografias. Cantou, repetidamente, a Oliveira da Serra. Pretendendo nós uma fotografia de Carmita no exterior do edifício, a utente recusou-se, alegando estar muito frio cá fora. Estava uma tarde abrasadora! Naturalmente, não insistimos.

FILHO DE 75 ANOS VISITA CARMITA UMA VEZ POR MÊS

Carmita é regularmente visitada por um filho que também já é utente de uma IPSS em Vila Cortez. Eduardo, de 75 anos, visita a mãe uma vez por mês. Uma neta, a viver em Lisboa, também se desloca a Sazes da Beira para ver a avó Maria do Carmo. 

Vida diferente tem Maria Palmira Cruz, cem anos cumpridos no passado dia 2 de Abril. Maria Palmira vive acamada. Toda a sua vida foi passada em Sameice. Dois filhos, um a viver nos Estados Unidos da América, a filha vivendo em Sameice. Foi esta que acompanhou a mãe, na terra, e continua a acompanhá-la, agora que teve que ser institucionalizada por mor da doença.
"As casas, nomeadamente as mais antigas, não estão preparadas para ter doentes acamados" - nota a Dra. Carla Nereu. 

A filha de Maria Palmira vem ver a mãe duas vezes por semana. Comportamento diferente tem o filho: "Está há vinte anos nos EUA, mas não tem qualquer ligação com a mãe. Para fazer uma ideia, esteve em Portugal o ano passado, de férias, mas não veio ver a mãe" - pontua a nossa cicerone pela simpática IPSS de Sazes da Beira.
Carla Nereu, assistente social bastante jovem, inveja, imagine-se, a pele da centenária Maria Palmira:
"Praticamente não tem rugas. É de fazer inveja a qualquer uma!".
Maria Palmira Cruz é alimentada por uma sonda, nunca saindo do leito. 

Dra. Carla NereuDaqui a três anos, e se, como todos esperam, Maria Palmira e Carmita ainda forem vivas, darão as boas-vindas ao terceiro membro do Clube dos 100+. Luciano Fontes está com 97 anos, cumpre 98 ainda este ano. Um pouco mais "atrasado" está o Manelito, com 94 anos.
O Centro Social Paroquial de Sazes da Beira, a funcionar desde 1999, tem 61 utentes em lar, mais doze em apoio domiciliário.

 

Data de introdução: 2005-06-06



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...