UDIPSS-GUARDA

União apresenta programa da Chama da Solidariedade no distrito

A direção da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) da Guarda fez uma conferência de imprensa de apresentação do programa a Festa da Solidariedade que decorre nos dias 6 e 7 de Junho no Porto. A Festa da Solidariedade, é organizada, no distrito, pela UDIPSS da Guarda, em estreita colaboração com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS).

A Guarda vai promover, no dia 30 de maio, pelas 10:00, a sessão solene da saída da "Chama da Solidariedade" com destino ao Porto, passando pelos concelhos de Trancoso (12:00), Mêda (14:00) e Vila Nova de Foz Côa (15:00), com entrega no Pocinho (17:00), à UDIPSS de Bragança. A Chama da Solidariedade chegará ao Porto no dia 07 de junho, onde decorrerá o quinto congresso da CNIS sobre "Solidariedade - Novos Caminhos, Valores de Sempre".

O presidente da UDIPSS da Guarda aproveitou a ocasião para denunciar que, devido à crise, as famílias da região estão a optar por cuidar dos idosos e das crianças em casa. Segundo Rui Reis, o fenómeno começou com o afastamento de idosos dos lares e estendeu-se posteriormente às respostas dirigidas à infância.

"Neste momento, deixou de ser um problema ligado aos idosos, nomeadamente aos lares de idosos, aos centros de dia e ao apoio domiciliário, mas também se estende a respostas sociais ligadas à área da infância", disse hoje o responsável.

Rui Reis, que falava, a realizar no dia 30 de maio, na Guarda, referiu que o afastamento de utentes das instituições "tem-se agudizado" nos últimos tempos.

Em relação aos idosos, apontou que nos meios rurais, "quando as pessoas não têm emprego, acabam por ficar com os familiares em casa e acabam por não procurar uma admissão num lar".

Já quanto à infância, as crianças não frequentam as instituições, sobretudo a partir do momento em que as mães ficam desempregadas. Explicou que as crianças frequentam as creches, mas são recolhidas pelas mães a meio da tarde e já não precisam "do apoio de nenhuma instituição de solidariedade social".

O presidente da UDIPSS da Guarda referiu que o problema "agudizou-se" nos últimos meses, mas disse que não possui "números" das situações registadas no distrito.

Tendo em conta as "convulsões sucessivas" que têm acontecido no país, devido à crise económica, Rui Reis admitiu que as instituições de cariz social têm sido "o grande pilar" na ajuda aos mais necessitados. "Temos sido o pilar mestre de uma obra que é a obra do apoio àqueles que mais necessitam e que mais precisam", declarou.

 

Data de introdução: 2014-05-26



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...