ALTO COMISSÁRIO PARA AS MIGRAÇÕES

Pedro Calado diz estar preparado para os novos desafios

O novo Alto Comissário para as Migrações, Pedro Calado, afirmou estar "preparado" para "os novos desafios" que resultam da redenominação do instituto público, que lhe traz "novas competências".
À margem da cerimónia de homenagem à Alta Comissária cessante, Rosário Farmhouse, que deixou o cargo a 30 de junho, Pedro Calado prometeu dar "continuidade ao trabalho" feito nos últimos seis anos e assumiu como foco principal "inovar, de uma forma serena".
Apresentando-se como "uma pessoa da casa", que conhece "bem os meandros" do ex-ACIDI (Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural), Pedro Calado confessou que vai ter "muitas saudades" de Rosário Farmhouse, "que pôs tudo o que tinha" ao serviço da "causa" das migrações e do diálogo intercultural.
"Quem se seguir, como eu, terá sempre muita dificuldade em poder comparar-se à grandiosidade de uma pessoa e de uma mulher como a Rosário Farmhouse. Espero estar à altura (...), mas o legado é muito, muito grande", frisou. "Estou preparado, é um caminho que se vai fazer sobretudo caminhando", acrescentou.
O mandato de Rosário Farmhouse foi "altamente positivo", avaliou Pedro Calado, acreditando "ter capacidades" para lhe suceder no cargo, esperando "que não seja uma corrida de cem metros, mas que seja uma maratona".
Momentos antes, Pedro Calado fora apresentado como "um homem de terreno" ao subir ao palco montado no Clube Ferroviário, em Lisboa, para homenagear a Alta Comissária cessante, de quem destacou "a liderança humanista e próxima".
Nas "longas viagens e muitos quilómetros" que partilhou com Rosário Farmhouse, Pedro Calado nunca se sentiu "entediado".
Os muitos funcionários e colaboradores que tomaram a palavra elogiaram em Rosário Farmhouse o "informalismo dentro e fora de portas".
Na despedida, a Alta Comissária cessante citou Fernando Pessoa para referir uma das lições que aprendeu quando chegou ao ACIDI, vinda da sociedade civil: "Eu não sou do tamanho da minha altura, mas daquilo que vejo."

 

Data de introdução: 2014-07-07



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...