CARRAZEDA DE ANSIÃES

Câmara oferece reparações domiciliárias aos idosos

A Câmara de Carrazeda de Ansiães criou um programa para ajudar de forma gratuita os idosos carenciados do concelho a realizarem pequenos trabalhos domiciliários e que abrange também pessoas com necessidades especiais, divulgou o município. O autarca José Luís Correia explicou à Lusa que o serviço é prestado por funcionários camarários a quem solicitar e inclui desde a substituição de lâmpadas, vidros ou portas ou o transporte de eletrodomésticos para reparação.

O programa Oficinas Domiciliárias, de acordo ainda com o presidente da Câmara, já foi lançado "há dois ou três anos", mas como não estava a ter a adesão esperada, o município celebrou agora protocolos com instituições de solidariedade social para ajudarem a identificar e encaminhar os processos de eventuais beneficiários.

A Misericórdia e os centros sociais e paroquiais passam a ser os principais parceiros por, pela proximidade, poderem detetar mais facilmente quem precisa desta Judá, destinada a pessoas com mais de 65 anos e com baixos rendimentos, assim como a pessoas com necessidades especiais na mesma condição financeira.

O concelho do Distrito de Bragança tem cerca de 6.300 habitantes, uma parte significativa idosa, a viver sozinha e com parques rendimentos. Necessidades do dia-a-dia como mudar uma lâmpada ou uma tomada em causa são impossíveis de satisfazer para muitos por não terem condições, nem a quem recorrer para realizarem estes trabalhos.

O propósito do município é colmatar esta necessidade e o autarca José Luís Correia espera que seja agora mais fácil identificar os beneficiários com a ajuda de outras instituições que localmente têm conhecimento das situações e que, muitas vezes são a quem chegam os pedidos de ajuda.

O autarca não soube quantificar quantos idosos já forma apoiados, mas garantiu que aqueles que já beneficiaram deste apoio "ficaram agradados pelo gesto e também porque sempre é algum dinheiro que poupam, além de poderem contactar com alguém", no caso os funcionários que prestam o serviço.

 

Data de introdução: 2014-07-13



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...