OBRA SOCIAL DO SAGRADO CORAÇÃO DE MARIA, GUIMARÃES

Para que todos tenham vida e a tenham em abundância

É antiga a história da Obra Social do Sagrado Coração de Maria (OSSCM), mais antiga mesmo do que o meio século de existência estatutária que no corrente ano assinala. Foi ainda no século XIX que o Instituto do Sagrado Coração de Maria (IRSCM) se instalou em Portugal, mais concretamente na cidade do Porto, corria o ano de 1871. E isto 22 anos apenas depois da fundação do Instituto, pelo padre Gailhac, em França.
“A Obra Social no seu conjunto e à semelhança do que os fundadores fizeram, trabalhou sempre com a preocupação, por um lado, da vertente teológica e, por outro, quem quer amar a Deus e segui-Lo tem que fazer alguma coisa pelos outros, senão é uma conversa, como disse S. Tiago. Amar a Deus e torná-Lo amado para que todos tenham vida e abundância, preferencialmente os mais pobres”, contextualiza a irmã Judite Maia, responsável máxima pela instituição em Guimarães, onde, após um período de fuga para Galiza, nos tempos da I República, a IRSCM se instalou no ano de 1932.
Inicialmente, o IRSCM abriu um Colégio feminino e um patronato para as crianças mais desfavorecidas. “As crianças passavam aqui o período em que não tinham escola e tomavam as refeições, para muitos o mais importante. Começámos por ter meninas e mais tarde meninos. O colégio para meninas que podiam pagar e o patronato para os que não podiam. E as colónias de férias, em regime de internato, em que cada criança passava pelo menos 15 dias na praia de Esposende”, conta a irmã Judite.
Em 1967, três anos sobre a lavra dos estatutos fundadores da OSSCM, data que agora se assinala, “verificou-se que havia estabelecimentos de ensino público suficientes e o IRSCM considerou que já não se justificava a existência do colégio, que fechou”, recorda a religiosa, acrescentando: “Isto numa altura em que o colégio estava no seu auge, mas como o Instituto achou que não era necessário, apesar da grande oposição das famílias, o colégio fechou e abriu uma residência para meninas que frequentavam o ensino público em Guimarães e eram de longe. Como fechou o colégio, a Obra Social expandiu-se e passou a ocupar as áreas do antigo colégio”.
A primeira resposta social dada pelo que entretanto viria a ser a OSSCM é a grande vitória da instituição, pois apesar de todos os ataques, ela sobrevive e continua em crescimento.
“Entre 1932 e 1967 era apenas as chamadas atividades de tempos livres, com alimentação e apoio ao estudo. Depois passou a haver o, dito agora, Pré-escolar e o ATL para o 1º Ciclo alargou ainda mais. Em 1984 abriu-se o Pré-escolar para os 2 anos e o ATL até ao 3º Ciclo. Mas, mais tarde, com os problemas surgidos em torno do ATL e do aparecimento da resposta pública, o edifício do ATL do 1º Ciclo foi transformado em edifício de creche, dos 0 aos dois anos”, explica a irmã Judite, realçando o fenómeno de crescimento da valência ATL: "Continuámos com crianças do 1º Ciclo, mas em pontas, e com o ATL dos 2º e 3º Ciclos muito florescente. O ataque governamental aos ATL aqui não resultou e continua a não resultar, porque as famílias apesar de terem muitas possibilidades, são muito exigentes sob o ponto de vista académico, e o ATL do 1º Ciclo voltou ao que era. Fomos um bocadinho rebeldes”.
Atualmente, a OSSCM, na Casa de Vila Pouca (Guimarães), acolhe em ATL (1º, 2º e 3º Ciclos), ao abrigo do Acordo de Cooperação, 240 crianças, “com uma procura incrível e crescente”, mais 84 em Creche e 150 em Pré-escolar. Já na Quinta da Armada (Braga), criada em 1971, a Obra Social tem a seu cargo o mesmo número de crianças em Creche e em Pré-escolar e ainda 100 em ATL.
E a presença da OSSCM não se cinge às duas maiores cidades minhotas, porque logo nos anos 1930 o IRSCM instalou-se ainda em Penafiel, Guarda, Viseu e Aveiro. Nos dias que correm, enquanto o IRSCM detém os colégios do Rosário, no Porto, e do Sagrado Coração de Maria, em Lisboa e em Fátima, o braço mais social da instituição, para além dos polos de Guimarães e Braga, promove ainda o Espaço Raiz, no Porto, e um Centro de Acolhimento Temporário (CAT), em Portalegre.
“Em 2002, o Colégio do Rosário candidatou-se ao Programa Escolha para também desenvolver esta vertente social, para que os próprios alunos do colégio pudessem trabalhar esta vertente e ficassem sensibilizados para esta perspetiva. Ganhou o concurso e começaram os colaboradores e os alunos do colégio a fazer voluntariado junto dos jovens de Ramalde, de início num espaço muito pequeno. Periodicamente havia novas candidaturas, ou as chamadas Gerações, a que nos apresentámos sempre e que foram sendo sempre renovadas, até que em 2013 pensámos em criar uma estrutura onde pudéssemos ter mais espaço, trabalhar com mais qualidade e onde os colaboradores do Colégio do Rosário pudessem trabalhar com mais condições e as próprias, crianças, jovens e famílias do Bairro de Ramalde fossem acolhidos de outra forma”, conta a irmã Conceição Pereira, responsável pelo equipamento da Quinta da Armada, resumindo o que se seguiu: “O espaço já existia na Junta de Freguesia de Ramalde, fizeram-se obras e o espaço foi todo remodelado. No ano passado foi inaugurado e todo o apoio foi transferido para este Espaço Raiz, ou seja, um Centro Comunitário de Ramalde. É um espaço por onde passam cerca de 150 crianças e jovens nos diversos dias da semana e são apoiadas perto de 100 famílias. E ainda tem a vertente de atividades para os idosos, com um Centro de Dia”.
Já sobre o CAT de Portalegre, a irmã Conceição, uma estudiosa da história do IRSCM, explica; “As religiosas foram para Portalegre em 1950 onde trabalharam a vertente social e a saúde. Depois abrimos um Colégio que, entretanto, fechou, mantendo-se uma residência para jovens estudantes que iam para o Politécnico. Em 1999 houve um decréscimo de procura das alunas e foi um ano em que estávamos a celebrar os 150 anos da fundação do IRSCM. Então, as irmãs quiseram ter um gesto simbólico representativo desse aniversário e juntamente com a Segurança Social de Portalegre equacionámos qual a necessidade e abrimos o CAT. Neste momento já passaram por lá cerca de 100 crianças, num equipamento com capacidade para 24 crianças, dos 0 aos 12 anos”.
No seu conjunto, a OSSCM tem 128 colaboradores, sendo que 35 são religiosas.
No ADN da OSSCM está o serviço a Deus e aos mais desfavorecidos, como sublinha a irmã Judite acerca do trabalho desenvolvido na instituição.
“É um privilégio dar prioridade àqueles que têm necessidades educativas especiais e aos mais desfavorecidos. Hoje, felizmente, vivemos numa sociedade mista e aqui todas as atividades extra-curriculares são universais e gratuitas. Ou são para todos ou não são para ninguém”, destaca, lembrando o lema da casa: “Para que todos tenham vida e a tenham em abundância”.
Ora, nos dias que correm dar prioridade aos mais desfavorecidos acarreta constrangimentos financeiros incontornáveis.
“Neste momento, a grande dificuldade da Obra Social é mesmo a questão económica, com as famílias a depararem-se com o desemprego e os cortes de rendimento… Como coordenadoras dos equipamentos temos sentido um decréscimo muito grande da comparticipação das famílias e, depois, são as mesmas crianças, os mesmos colaboradores e o mesmo Acordo de Cooperação. Já tivemos que reduzir muitas mensalidades e temos muitos pedidos para fazer mais”, sustenta a irmã Conceição, ao que a irmã Judite acrescenta: “Temos pedidos diários para baixar mensalidades ou para deixarem de pagar e, neste momento, temos cerca de uma centena de crianças com mensalidade zero aqui. E nós, por enquanto, como temos o suporte do IRSCM, vamo-nos podendo dar ao luxo de poder aceitar”.
Esta é uma ideia reforçada pela irmã Conceição: “Se não fosse a entidade fundadora não íamos a lado nenhum. O Instituto é que tem assegurado muito do que fazemos, pois sempre que é necessário fazer obras nos equipamentos, assume-as na íntegra, tal como quando há despesas extra. A Obra Social é muito acarinhada pelo Instituto”.
Por isso é que, “projetos futuros não são nada ambiciosos, nem podem ser”, afirma a irmã Judite, dizendo que “são sempre prestar um serviço cada vez com mais qualidade”.
“O nosso grande sonho continua a ser construirmos um corpo de adultos unido para que as crianças possam também sentir-se amadas e com estabilidade neste mundo de tremenda instabilidade”, defende a irmã Judite.
Por seu turno, reforçando esta ideia, a irmã Conceição vai um pouco mais longe: “Em Braga, os projetos, desejos ou anseios prendem-se, essencialmente, com duas áreas: olhando à atual crise de valores, e como diz o sociólogo Bauman que estamos numa sociedade líquida em que não há tempo para solidificar os valores, penso que o desafio passa por trabalharmos no sentido que as crianças tenham consistência nos próprios valores, prestando um serviço de qualidade para que elas possam refletir sobre o que se vai passando e não viver cada momento em mais um momento, não assimilando os valores que queremos passar com a nossa ação; um outro aspeto, é sermos realistas e mantermos os pés na terra e, se aparentemente pode parecer que não estamos a dar uma resposta social, na verdade estamos ao manter postos de trabalho. Os pais ao colocarem os filhos nos vários equipamentos porque confiam muito nos serviços e nos recursos humanos da Obra Social”.
Quando se instalou em Guimarães, em 1932, a instituição fê-lo num palacete dos Condes de Vila Pouca de Aguiar. O edifício é monumental, está muito bem conservado e permite ainda um mergulho na história. Quis o desígnio que, sem herdeiros diretos, o Conde de Vila Pouca deixasse o solar a um sobrinho, que acabaria por o perder ao jogo. Em leilão, o IRSCM ficou com ele. E na verdade, não apenas o edifício, mas toda a envolvente se preta a que os homens e as mulheres de amanhã tenham um crescimento muito harmonioso, como o são os jardins e demais áreas adjacentes ao edifício-sede.

PEDAGOGIA EM PROJETO

Na OSSCM segue-se o Modelo High/Scope, que surgiu em 1960 nos Estados Unidos e destinava-se a crianças com necessidades educativas especiais, sendo depois alargado a outras crianças. Como explica a irmã Judite, educadora de infância de formação inicial: “O modelo baseia-se na pedagogia ativa em que se defende que não se ensina nada a ninguém, mas cada criança e cada pessoa aprende a partir da experiência. Adota princípios da pedagogia ativa, colocando a criança em circunstâncias que a levam a querer aprender e a querer investigar. Os pilares essenciais da pedagogia high/scope são criar à criança uma rotina estável, organizar o espaço e o tempo e promover a interação entre os pares e entre os pares e os adultos. Isto é complementado pela pedagogia do projeto, sabendo-se que há projetos essenciais para cada nível etário na idade do pré-escolar. E há três projetos que são desenvolvidos em cada nível etário. E a pedagogia em projeto também é investigação, que pode partir da criança ou ser provocado pelo educador. Nunca é um saber imposto, mas é induzido. Obviamente, eles aprendem brincando, pois todas as atividades têm que ter um carácter lúdico”.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2014-10-28



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...