I ENCONTRO

Os novos rumos para a educação de bebés e crianças em creche

O 1º Encontro «Novos rumos para a educação de bebés e crianças em creche e jardim-de-infância», promovido pela Associação Gerações em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, no passado dia 9 de Maio, no auditório da Escola Superior de Saúde do Vale do Ave, foi um êxito absoluto quanto ao nível de participação (300 participantes de todo o País) e quanto à qualidade das intervenções que se realizaram durante todo o dia.
Os vários temas propostos para discussão foram abordados por prestigiados e experientes oradores em vários domínios de investigação do processo de crescimento, desenvolvimento e estimulação das crianças, dos quais deixamos aqui alguns exemplos.
Ana João Rodrigues, docente, neurocientista e investigadora da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho, abordou o desenvolvimento cerebral nos primeiros anos de vida, tocando conceitos como o neuro-desenvolvimento e a plasticidade neuronal, referindo “que se torna fundamental investir na qualidade dos cuidados prestados em creche e jardim-de-infância" e destacando ainda que não se devem assoberbar as crianças com atividades extracurriculares, uma vez que o excesso de estímulos não se tem revelado benéfico para o desenvolvimento das crianças, conduzindo a situações de stresse e ansiedade.
Por seu turno, Cristina Ferreira, médica pediatra, abordou a importância do cumprimento dos cuidados de saúde e higiene nos contextos de creche e jardim-de-infância, como formas de evitar o contágio e a propagação de doenças, deixando dois alertas fundamentais para a relevância da vacinação das crianças e da realização de atividades ao ar livre.
Já Aida Figueiredo, docente e investigadora da Universidade de Aveiro, sublinhou a importância dos espaços exteriores para todo o desenvolvimento da criança, espaços que devem possibilitar o contacto com a natureza, com água, com terra, com madeiras e que não devem limitar-se a brincadeiras com o típico escorrega, baloiço e outros equipamentos demasiado formatados.
Carla Peixoto, docente da Escola Superior de Educação do Porto, apresentou o resultado de vários estudos sobre a qualidade dos contextos de creche e jardim-de-infância e que têm vindo a revelar que os cuidados de higiene e o tipo de atividades proporcionadas aos bebés e crianças pequenas necessitam de uma intervenção, uma vez que os resultados obtidos na avaliação destes indicadores são insatisfatórios. A docente deixou duas recomendações principais: é fundamental dar tempo e espaço à criança para o jogo livre e os profissionais não devem estar demasiado focados em programas estruturados e estandardizados.
O encontro terminou com a comunicação de Júlia Formosinho, uma referência nacional e internacional na educação de infância, que, partindo do tema «Construindo a Pedagogia da Infância», desafiou todos os profissionais a romper com a cultura promotora das fichas na educação de infância, pois as crianças não precisam de fichas para aprenderem e se desenvolverem. Os participantes foram intensamente desafiados para inovar na sua ação, para procurarem uma intencionalidade clara para as suas práticas e a documentarem as mesmas e o desenvolvimento das crianças.
Outros especialistas abordaram temas de relevância para os contextos de creche e jardim-de-infância, numa iniciativa que pecou apenas pela falta de tempo para debate e ainda pelo imenso calor que se fazia sentir na sala, fator que acaba por perturbar a concentração de oradores e ouvintes.

 

Data de introdução: 2015-05-12



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...