CENTRO SOCIAL PAROQUIAL PADRE RICARDO GAMEIRO – COVA DA PIEDADE

Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social elogia elevada qualidade das respostas sociais

No passado dia 10 de julho, o Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, Agostinho Branquinho, visitou o Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro, na Cova da Piedade. Uma visita prometida há algum tempo e que agora se concretizou. Ao terminar a visita, o Secretário de Estado confessou-se impressionado com a qualidade infraestrutural das respostas sociais que conheceu mas, sobretudo, com a felicidade de cada um dos utentes com quem se cruzou.  
A visita iniciou-se na Casa de São Paulo, o mais recente equipamento sénior daquela Instituição, passando depois a comitiva pela Residência Nossa Senhora da Esperança, terminando no Centro de Documentação das Instituições Religiosas e da Família e na Creche e Jardim de Infância da Ramalha.
Explicou, no final da visita, Agostinho Branquinho, que tomou contacto com o Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro, aquando do processo de licenciamento da nova residência sénior, Casa de São Paulo. «Tomei contacto com esta Instituição por uma coisa que no nosso país, infelizmente, ainda é muito vulgar, que é uma certa visão burocrática e administrativa das nossas respostas sociais por parte dos serviços da administração pública, neste caso concreto, do Instituto da Segurança Social. Havia aqui um problema, sem nenhum sentido, que basicamente estava a prejudicar a Instituição e, sobretudo, aqueles que podem beneficiar das suas respostas sociais», disse no final da visita.
Depois de ter sido ultrapassada esta questão, o Secretário de Estado comprometeu-se a visitar Instituição, e ao conhecer alguns dos equipamentos e dos utentes, afirmou: «Esta visita acabou por confirmar, e até ultrapassar, aquilo que era a minha ideia. Nota-se, em toda a Instituição, um grande empenho, um espírito de muita alegria, com uma relação e colaboração intergeracional que se verificou aqui em vários momentos desta visita. Com toda a sinceridade, estou fortemente impressionado quer com a qualidade infraestrutural das respostas que vi, mas sobretudo, o sorriso que as pessoas, idosos e crianças, têm».

OS DESAFIOS DAS IPSS

Considerou, ainda, na altura, o Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social que vivemos numa mudança de paradigma que coloca às Instituições de Solidariedade Social alguns desafios. «Nós vivemos hoje uma mudança de paradigma, que assenta no facto de o Estado, que somos todos nós, ter entendido que uma parte importante das respostas sociais e do atendimento e acompanhamento social deve e pode ser feito pelas Instituições de setor social e solidário. Temos vindo a fazê-lo porque nós percebemos que, do ponto de vista daquilo que são as políticas de proximidade e a sua execução, estas Instituições estão muito mais próximas das pessoas, conhecem melhor os territórios do que nós, e no final do dia ainda é mais barato para o Estado, é mais barato para o bolso dos portugueses», destacou.
Sublinhando o bom exemplo do Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro que, através de financiamentos próprios e com o envolvimento da comunidade conseguiu construir um «equipamento de topo, com enorme qualidade», Agostinho Branquinho disse que o desafio das Instituições é, cada vez mais, a busca da sustentabilidade financeira, e que isso só se consegue com o trabalho em rede, rentabilizando os recursos que já têm internamente. No entanto, destacou novos desafios para as IPSS.
«Dentro destes novos desafios – disse ainda – desta ideia de parceria, de trabalho em rede que as Instituições têm que ter para serem mais sustentáveis, há um outro tipo desafio que se coloca, que é o facto de poderem ir mais longe no tipo de respostas sociais. No nosso país nós, basicamente, oscilamos entre não apoiar as pessoas, não haver respostas sociais, ou então, institucionalizarmos as pessoas. Há aqui no meio, um conjunto de respostas sociais que nós podemos e devemos desenvolver, retardando a institucionalização, melhorando e aprofundando a qualidade do serviço de apoio domiciliário, criando novas respostas de vida independente, quer de idosos, quer de pessoas portadoras de deficiência».

VISITA É SINAL DE RECONHECIMENTO

De acordo com o Presidente da Instituição, e prior da Cova da Piedade, Padre José Pinheiro, a visita do Secretário de Estado foi sinal do reconhecimento de um trabalho desenvolvido por aquele Centro Paroquial há mais de quarenta anos, junto da população desfavorecida daquela freguesia.
Por outro lado, considera ainda, é um reconhecimento da elevada qualidade das trinta respostas sociais que a Instituição dispõe, «caracterizada por uma forte aposta na promoção do desenvolvimento harmonioso e integral de cada utente, nomeadamente através da presença da cultura».
O sacerdote destaca também, por ocasião desta visita, a forma sustentável com a Instituição tem gerido os recursos, de uma forma criativa, com envolvimento da comunidade e a aposta na qualificação dos recursos humanos, promovendo e estimulando ações de formação, «assim como a implementação de um sistema de avaliação de desempenho, absolutamente pioneiro em instituições equiparáveis à nossa».
«A visita do Senhor Secretário de Estado – explica ainda o Presidente – foi para nós o reconhecimento, por parte da Segurança Social, nosso principal parceiro, do nosso empenho em servir cada vez mais  e melhor o bem comum, contribuindo para uma maior justiça social». 

TEXTO: Anabela Sousa
FOTOS: Paulo Imagens

 

Data de introdução: 2015-07-30



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...