CNIS ENVOLVIDA

Organizações da sociedade civil criam Plataforma de Apoio aos Refugiados

Organizações da sociedade civil decidiram criar uma Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), que será lançada esta sexta-feira em Lisboa, com dois focos de atuação, o registo nos países de origem e o trânsito e acolhimento em Portugal.

A Caritas Portuguesa, o Conselho Português dos Refugiados, a Unicef, o Instituto Padre António Vieira, o Serviço Jesuíta aos Refugiados, o Instituto de Apoio à Criança e o Serviço Jesuíta aos Refugiados são algumas das entidades envolvidas no projeto.

"Esta plataforma inclui duas áreas de atuação: uma focada no acolhimento e integração de crianças refugiadas e das suas famílias em Portugal, e outra focada no apoio aos refugiados no seu país de origem", lê-se na informação enviada à Comunicação Social.

Fazem igualmente parte da plataforma a Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade, a Comissão Nacional justiça e Paz e a Obra Católica das Migrações, entre outras organizações.

A presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR), Teresa Tito de Morais, disse acreditar que Portugal tem capacidade para acolher mais refugiados do que os 1.500 que o Governo se disponibilizou para receber.

A crise dos refugiados, já comparada à da II Guerra Mundial, e as imagens de famílias em fuga com crianças ou de corpos encontrados nas costas da Europa estão a motivar reações por parte de várias entidades.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas vai discutir uma resolução sobre a crise dos refugiados que atravessam o Mediterrâneo para chegar à Europa, disse na quarta-feira o representante russo.

O embaixador Vitaly Churkin afirmou que esta medida "poderia ser" adotada este mês durante a presidência russa deste órgão, que integra 15 membros.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apelou hoje aos Estados-membros da União Europeia para aceitarem pelo menos 100 mil refugiados, de modo a aliviar a pressão nos países da chamada 'linha da frente'.

"Aceitar mais refugiados é um gesto importante de verdadeira solidariedade", disse Tusk, salientando ser atualmente necessária "uma distribuição equitativa de pelo menos 100 mil refugiados pelos Estados-membros".

O alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, António Guterres, defendeu na quarta-feira em entrevista à CNN que a crise dos migrantes requer uma resposta coerente e que só a Europa, com base na solidariedade, a pode fornecer.

 

Data de introdução: 2015-09-03



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...