APRESENTAÇÃO

Plataforma de Apoio aos Refugiados

Porque a solidariedade está no ADN dos Portugueses e porque não é comum Portugal virar as costas a quem precisa, foi apresentada nesta primeira sexta-feira de setembro a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), a resposta da sociedade civil portuguesa à crise de migração que o Mundo vive atualmente.
Fruto dos inúmeros conflitos armados que grassam no Médio Oriente, mais concretamente na Síria, Iraque e países limítrofes e ainda do Norte de África, mais concretamente da Líbia, mas não só, a vaga de pessoas que foge à morte e à fome tem crescido exponencialmente. Os dramas são diários e quem tem consciência não fica indiferente.
Por isso, um conjunto de organizações decidiu avançar para a constituição da PAR, que mais não é do que “uma rede de organizações da sociedade civil portuguesa para apoio aos refugiados na presente crise humanitária”.
A esta rede, a CNIS, assim que convidada, aceitou a participação, até porque, como disse ao SOLIDARIEDADE, o padre Lino Maia, “muitas IPSS têm vindo a disponibilizar-se junto da CNIS para receber, acolher e integrar refugiados que venham para Portugal”.
Para integrar a PAR basta que as organizações da sociedade civil se revejam na iniciativa e apresentem esse interesse. Para já foram muitas as organizações que aderiram ao repto lançado por Rui Marques, do Instituto Padre António Vieira, mentor e principal obreiro da iniciativa, a saber: CNIS, Amnistia Internacional, APGES, Cais, Cáritas Portuguesa, Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal, Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, Comissão Nacional Justiça e Paz, Comité Português da UNICEF, Comunidade Islâmica de Lisboa, Comunidade Vida e Paz, Corpo Nacional de Escutas, Conselho Português para os Refugiados, Cruz de Malta, EAPN/Rede Europeia Anti-Pobreza, Fundação EDP, Fundação Gonçalo da Silveira, Fundação Montepio, GRACE, Instituto Padre António Vieira, Ordem Hospitaleira de S. João de Deus, Serviço Jesuíta aos Refugiados, Obra Católica Portuguesa das Migrações e OIKOS, entre outras.
Na próxima segunda-feira, a PAR estará presente na primeira reunião da comissão criada pelo Governo para tratar da questão portuguesa de acolhimento de migrantes, e que será presidida pelo ministro-adjunto Poiares Maduro, mas, para já, a Plataforma “irá identificar as necessidades que possam surgir para o cumprimento da sua missão” e, nesse sentido, lança, desde já, dois projetos: o PAR Famílias e o PAR Linha da Frente.
Com o PAR Famílias, a Plataforma pretende “criar um projeto de acolhimento e integração das crianças refugiadas e suas famílias em Portugal, em contexto comunitário, com o envolvimento das instituições locais (autarquias, IPSS, escolas, associações, etc.) que assumam essa responsabilidade face a uma família concreta”.
Já através do PAR Linha da Frente o propósito é o “apoio aos refugiados nos países de origem ou vizinhos, através do trabalho da Cáritas ou do Serviço Jesuíta aos Refugiados, recolhendo fundos para apoio ao trabalho local com a população em risco e refugiados, permitindo-lhes viver com mais dignidade e segurança”.
Após a apresentação da PAR, realizou-se a primeira reunião conjunta com o objetivo de definir propostas para apresentar segunda-feira ao Governo e delinear estratégia de abordagem à situação.
Na cerimónia de apresentação da Plataforma de Apoio aos Refugiados, para além do mentor Rui Marques, usaram ainda da palavra o presidente da CNIS, padre Lino Maia, o líder da Comunidade Islâmica de Lisboa, Abdool Vakil, e ainda foi possível ouvir o testemunho pessoal de Sabina Karamehmedovic, que em 1992, então com 12 anos, chegou a Portugal com a família fugida da guerra na Bósnia-Herzegovina.
Na edição de Setembro o SOLIDARIEDADE dará conta mais pormenorizada desta apresentação pública da PAR.

P.V.O.

 

 

Data de introdução: 2015-09-04



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...