PADRE JOSÉ MAIA

A indiferença mata!

Por iniciativa do Papa Paulo VI, a Igreja Católica propôs aos crentes e aos governantes dos Povos que o dia 1 de janeiro fosse dedicado à PAZ.

Para dar sentido e densidade a este apelo, cada um dos vários Papas que têm passado pelo Vaticano, anuncia para cada ano uma mensagem especial, que pretende sinalizar o valor da PAZ e os caminhos que a ela podem conduzir, tendo em conta os “sinais do tempo social” vividos em cada ano.

Para o dia da PAZ de 2016 foi escolhida esta mensagem: “VENCE A INDIFERENÇA E CONQUISTA A PAZ”.

Certamente que na génese inspiradora da mensagem para 2016 estarão as imagens lancinantes de mais de três milhões de refugiados, escorraçados de país para país! A desumanidade com que tanta gente tem sido tratada é uma prova provada da INDIFERENÇA que vai tomando conta de cada pessoa, cada família, cada comunidade local e nacional, ultrapassando estas fronteiras para alastrar a todos os continentes.

Esta mesma INDIFERENÇA tem servido de rastilho para acender, em várias partes do mundo, labaredas de vários fanatismos que, inspirados em fundamentalismos pseudo/religiosos, têm levado o auto proclamado Estado Islâmico a matar, de uma forma bárbara, algumas centenas de milhar de pessoas humanas, num provocador atentado a valores humanos e culturais que constituem o mais precioso património civilizacional construído por sucessivas gerações!

Há ainda outras expressões de INDIFERENÇA que se manifestam, por exemplo, através de atentados ao “bem comum” e ao aumento das “desigualdades sociais”, crimes praticados sem escrúpulos pelo “sistema financeiro” que, protegido por uma globalização desumana e sem ética, desvia dinheiro que lhe é confiado para com ele alimentar vidas de fausto de acionistas sem escrúpulos, obrigando depois os contribuintes a “pagar as favas” do bolo rei de “fortunas dolosas” de gente poderosa que não tem escrúpulos em levar os Estados a recorrerem a impostos para pagar os seus desmando financeiros. E nós, portugueses, bem temos sentido na pele estes desmandos do sistema financeiro!

Na mensagem do Papa Francisco pode lêr-se: “…A nível individual e comunitário, a indiferença com o próximo (filha da indiferença para com Deus) assume as feições da inércia e da apatia, que alimentam a persistência de situações de injustiça e grave desequilíbrio social, as quais podem, por sua vez, levar a conflitos ou, de qualquer modo, gerar um clima de descontentamento que ameaça desembocar, mais cedo ou mais tarde, em violência e insegurança”.

Porém, nem tudo é mau! Apesar da tentação da globalização da INDIFERENÇA, não têm faltado iniciativas de pessoas, comunidades, movimentos, organizações que afirmem o primado da SOLIDARIEDADE e do ALTRUISMO! Há uma consciência e uma sensibilização cada vez maiores, por parte de muita gente em todas as partes do mundo, em relação à defesa dos direitos humanos e ecológicos do Mundo que nos foi dado para dele cuidarmos como uma CASA COMUM na qual, juntos, queremos viver FELIZES.

A todos os leitores do SOLIDARIEDADE, votos de um bom ano 2016.

Pe. José Maia  

 

Data de introdução: 2016-01-08



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...