PRESTAÇÕES SOCIAIS I

Mais beneficiários entre idosos e desempregados

A Segurança Social revelou alguns números relativos a prestações sociais que demonstram que houve um aumento dos beneficiários do Complemento Solidário para Idosos (CSI) e também dos do Subsídio de Desemprego, numa análise que incidiu sobre a viragem do ano.
Assim, o número de idosos que recebe o Complemento Solidário ultrapassou os 166 mil em janeiro, mais 332 do que em dezembro do ano passado, mas ainda assim menos cerca de 3.300 do que em igual período de 2015.
De acordo com os dados mais recentes do Instituto da Segurança Social (ISS), em janeiro de 2016 registaram-se 166.337 beneficiários do CSI, mais 0,2% do que o registado em dezembro de 2015, quando havia 166.005 idosos a receber esta prestação social.
Por outro lado, comparando com o período homólogo, há um decréscimo de 1,94%, já que em janeiro de 2015 havia 169.645 pessoas a receber o CSI, ou seja, mais 3.308 idosos do que em janeiro de 2016.
Entre as 166.337 pessoas que em janeiro receberam este complemento à pensão, 116.292 são mulheres, o que representa quase 70%, contra 50.045 homens.
Olhando para o mapa, a tendência verificada no mês anterior mantém-se, com o distrito do Porto a liderar no número de beneficiários (26.661), logo seguido de Lisboa (24.558) e Braga (12.685).
Recorde-se que o Governo repôs os valores de várias prestações sociais, desde o abono de família, RSI, subsídio de assistência a terceira pessoa ou CSI.
Com esta atualização, e especificamente em matéria de CSI, o Governo prevê beneficiar 170 mil idosos, número que poderá subir até aos 200 mil, comprometendo-se a restabelecer o valor anual desta prestação social para 5.022 euros, depois de ter sido reduzida para 4.909 euros/ano na legislatura anterior.
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, admitiu que a despesa total, no Orçamento do Estado para 2016, com o CSI será de 15 milhões de euros.
Por outro lado, o Estado atribuiu perto de 261 mil prestações de desemprego em janeiro, deixando sem estes apoios cerca de 385 mil desempregados, segundo dados divulgados pela Segurança Social.
De acordo com os últimos dados disponibilizados pela Segurança Social na Internet, em janeiro existiam 260.987 beneficiários de prestações de desemprego, mais 1.647 pessoas do que em dezembro e o equivalente a cerca de 40% do último número total de desempregados contabilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (quarto trimestre).
Das prestações contabilizadas pela Segurança Social, 128.082 referem-se a mulheres e as restantes 132.904 dizem respeito a homens.
Os últimos dados divulgados pelo INE, relativos ao último trimestre do ano contabilizavam, em dezembro de 2015, um total de 646.500 desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 12,2%.
Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em janeiro o valor médio de 447,39 euros, face aos 452,36 euros observados um ano antes.

 

Data de introdução: 2016-02-19



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...