«INVESTIMENTO SOCIAL»

O Estado tem que assegurar a sustentabilidade do Setor Solidário

“A sustentabilidade tem que ser absolutamente assegurada pelo Estado, senão deixamos de prestar serviço público, senão não pode acontecer cooperação”. Esta foi a principal mensagem que o presidente da CNIS deixou no seminário «Investimento Social», organizado pela UDIPSS Lisboa, no qual se debateram diversas questões relacionadas com o financiamento das IPSS.
Os desafios de elevada complexidade num ambiente social que se iniciou com a crise de 2008 e que ainda prevalece, acrescido de novos riscos sociais suscitaram um maior reconhecimento da importância das IPSS, obrigando-as a adotar novas abordagens de sustentabilidade, transparência e rigor para sobreviverem, foram o mote do seminário «Investimento Social», que a UDIPSS Lisboa organizou no ISCTE-IUL, no passado dia 6 de outubro.
Debater questões como a sustentabilidade, as oportunidades, os negócios sociais, a inovação, as empresas sociais e a diversificação de financiamento era a proposta, que levou até ao auditório do ISCTE cerca de três centenas de pessoas, que não quiseram desperdiçar a oportunidade de conhecer exemplos e caminhos a seguir na obtenção de financiamento.
O presidente da CNIS começou por saudar todos os presentes, congratulando-se com a realização do evento: “É muito bom que nos encontremos e que reflitamos sobre todas estas questões, que não têm uma reflexão linear”.
Depois, o padre Lino Maia começou por recordar “uma data fundamental para toda esta reflexão e para o Setor Social, que é a de 19 de dezembro de 1996”, dia em que aconteceu a assinatura do Pacto para a Cooperação.
“Foi determinante”, prosseguiu o líder da CNIS, destacando que “há um antes e há um depois de 19 de dezembro de 1996” e explicou: “Antes já havia muitas organizações de ação social, mas depois daquela assinatura o Estado reconheceu as iniciativas da sociedade, transferiu para essas iniciativas muitas das suas respostas sociais e comprometeu-se a apoiar essas iniciativas. A apoiar inclusivamente com equipamentos sociais e, claro, com financiamento”.
E para que dúvidas não restassem, o padre Lino Maia lembrou que “a partir daquela data a ação social direta é em mais de 90% feita por estas Instituições Particulares de Solidariedade Social”.
De seguida, o presidente da CNIS defendeu que o social é o espaço das IPSS – “de pessoas, para pessoas e com as pessoas” –, a solidariedade a qualidade – “por isso nos distinguimos de muitas outras organizações, nomeadamente cooperativas e mutualidades «tout cour» – e a estratégia é a cooperação.
“O nosso espaço é o social, a nossa qualidade é a solidariedade e a nossa estratégia é a cooperação”, referiu, aprofundando: “Cooperação com o Estado, porque este tem competências e todos nós somos ciosos na defesa do Estado Social, mas isso não significa que tenha que ser o Estado a fazer o que tem que ser feito. O Estado, pela cooperação, transfere para as instituições a ação social direta e assim acontece cooperação nas áreas da proteção social, educação, saúde e desenvolvimento local”.
Em todo este contexto, para o padre Lino Maia “coloca-se a questão da sustentabilidade e do financiamento das IPSS”, em que, entre outras fontes, “é inquestionável e fundamental a transferência do Estado para o Setor Social Solidário”.
A este propósito, o presidente da CNIS quis expressar de forma cristalina a posição da Confederação, até porque nem sempre é bem percebida.
“Por vezes somos mal entendidos quando dizemos que o Estado não pode mandar tudo para as instituições e depois lavar as mãos, ou seja, está tudo entregue então agora desenrascai-vos. Isto traz um problema muito complicado, porque obriga fatalmente à deturpação deste Setor. Na nossa génese atuamos para os outros, particularmente para os mais carenciados, mas a autossuficiência pode levar a que as instituições se desviem do seu público-alvo”, argumentou.
Reclamando a inscrição da cooperação no Orçamento do Estado – “O que nós prestamos é serviço público, pelo que o Estado tem que pôr como uma das primeiras prioridades no Orçamento do Estado o financiamento compensatório deste Setor” –, o presidente da CNIS deixou um aviso à navegação: “A transferência de financiamento do Estado não pode continuar a ser feita como está a ser atualmente, ou seja, igual para todas as partes, independentemente das circunstâncias. É importante que o financiamento seja ajustado às circunstâncias. Portugal é um jardim, mas as flores não são todas iguais”.
A fechar a sua intervenção no seminário em que o tema era «Investimento Social», com a abordagem a temas como a sustentabilidade, as oportunidades, os negócios sociais, a inovação, as empresas sociais e a diversificação de financiamento, o líder da CNIS foi perentório: “A sustentabilidade tem que ser absolutamente assegurada pelo Estado, senão deixamos de prestar serviço público, senão não pode acontecer cooperação”.
Após a sessão de abertura, Filipe Santos, presidente da comissão diretiva do Portugal Inovação Social, elucidou os presentes quanto às possibilidades do programa que dirige, seguindo-se Alain Coheur, membro do Comité Económico e Social Europeu (CESE) e porta-voz da Categoria de Economia Social e ainda membro da «Social Economy Europe», que abordou «O enquadramento legal europeu; definições e possibilidades das ‘empresas sociais’ na Europa. A promoção da economia social a nível internacional», e Ariane Rodert, vice-presidente da Secção INT do CESE e também membro da «Social Economy Europe», que se debruçou sobre «Os tipos de investimento social e instrumentos financeiros disponíveis na Europa, as posições do CESE sobre as empresas sociais».
A fechar a manhã, Margarida Couto, da Vieira de Almeida Advogados, versou «O enquadramento legal em Portugal e as possibilidades de negócios sociais das IPSS».
Da parte da tarde, Joana Mendonça, da TESE, falou sobre «Opções estratégicas de Investimento Social – Foco nas empresas sociais», enquanto Filipa Pires de Almeida apresentou a «Plataforma Geofundos».
Seguiu-se uma mesa redonda, onde diversas instituições deram conta dos bons exemplos em termos de negócios sociais, com a participação de: António Martins, da Elo Social; padre Samuel Guedes, da Engenho dos Paladares/Paladares da Paroquiais; Carlota Quintão, da A3S; e ainda Henrique Joaquim, da Comunidade Vida e Paz.
Este último, em linha com as palavras do presidente da CNIS, lembrou que “empreender e inovar é cada vez mais uma necessidade, mas é também um perigo”, asseverando: “O risco que estamos a correr é o do Estado ficar de fora e neste Setor Social o Estado não pode ficar de fora".
No derradeiro painel, Miguel Cabra de Luna, membro do CESE e das organizações GECES e ONCE (Espanha), deu a conhecer alguns exemplos de empresas sociais de Espanha e resto da Europa.
No final, José Carlos Batalha, presidente da UDIPSS Lisboa, era um homem satisfeito, acima de tudo, porque “o grande propósito era desassossegar as instituições para estas questões e isso foi conseguido”.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2016-10-26



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...