COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS

Rosário Farmhouse é a nova presidente

Rosário Farmhouse é a nova presidente da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ), substituindo no cargo o juiz conselheiro Armando Leandro, que pediu para deixar o cargo.
A nomeação de Rosário Farmhouse foi divulgada no Facebook da CNPDPCJ e confirmada por uma fonte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, segundo a qual a nova presidente já assumiu funções.
A Comissão divulga ainda no seu Facebook a mensagem do juiz conselheiro Armando Leandro dirigida a todas as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens.
Na carta, Armando Leandro, que presidiu à comissão durante 12 anos, explica que cessou funções a seu pedido e agradece a cooperação e o trabalho desenvolvido pelas comissões de proteção de crianças e jovens ao longo dos anos.
“Venho saudar, com muito apreço, admiração e estima, todas as CPCJ [Comissão de Proteção de Crianças e Jovens] e seus membros atuais e anteriores, salientar o muito valioso trabalho que vêm desenvolvendo em favor das crianças, jovens, famílias e comunidades, e agradecer, penhoradamente, toda a muito prestimosa cooperação e as sensibilizantes e amigas atenções com que sempre tiveram a bondade de me honrar e enriquecer a minha aprendizagem humana e funcional”, afirma Armando Leandro na missiva.
Deseja ainda “votos das maiores felicidades” a todos que integram as comissões, convicto de que “continuarão na senda da realização cada vez mais conseguida” da sua “missão nobilíssima, essencial a um desenvolvimento individual e comunitário justo e de qualidade”.
Armando Leandro, 82 anos, assumiu o cargo de presidente da Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco em setembro de 2005, tendo publicado vários trabalhos ligados à sua especialidade, nomeadamente sobre temas de Direito de Menores e de Família.
A nova presidente da CNPDPCJ, Rosário Farmhouse, foi diretora do Serviço Jesuíta aos Refugiados de Portugal, entre janeiro de 2003 e fevereiro de 2008, e exerceu as funções de Alta Comissária para a Imigração e Diálogo Intercultural.

 

Data de introdução: 2017-11-16



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...