COVID-19: LINO MAIA EM ENTREVISTA AO JORNAL PÚBLICO

Estado fiscaliza muito mais do que acompanha os lares

O “Estado fiscaliza muito mais do que acompanha” os lares de idosos e estes não são devidamente assistidos pelo Ministério da Saúde, afirmou o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), padre Lino Maia, ao PÚBLICO.

Apesar da preocupação, o padre Lino Maia considera que a incidência de mortes por covid-19 entre idosos institucionalizados é baixa. Analisando-se o universo, “conclui-se que, afinal, talvez seja a existência de tantos lares, dirigidos por tantos dirigentes voluntários e diligentes e acompanhados por tantos trabalhadores dedicadíssimos”, a razão que “explica como em Portugal a crise provocada pela doença covid-19 não esteja a fazer tantas vítimas como se temia” entre os idosos institucionalizados. E conclui: “É muito mau que haja uma vítima, mas certamente muitas mais seriam se os idosos estivessem emparedados pela solidão e abandono.”

O padre Lino Maia explica que no universo de idosos abrangidos pelo “conjunto do Sector Social Solidário, considerando também a Confecoop e União das Mutualidades, haverá cerca de 1500 lares, com cerca de 80.000 utentes”. A somar a estes há ainda os lares privados lucrativos legais e os ilegais. É assim baixo o número de idosos institucionalizados que morreram de covid-19, tomando como referência os números divulgados oficialmente.

A 14 de Abril, a directora-geral de Saúde, Graça Freitas, reconheceu que os idosos institucionalizados, que tinham morrido de covid-19, eram perto de 200 ao afirmar: “Em relação aos 567 óbitos registados até à data, cerca de um terço desses óbitos ocorreu em população que está, de facto, em instituições.”

Decompondo os números dos lares existentes no sector social solidário, o padre Lino Maia explica que, no “conjunto das associadas da CNIS, pelo menos 900 instituições têm lares, com serviço de apoio domiciliário e centros de dia”, tendo algumas delas cuidados continuados. Destes, 847 estão no continente e cerca de 50 nas Regiões Autónomas. Aos lares da CNIS somam-se os 500 lares das cerca de 380 misericórdias, associadas da União das Misericórdias. No total, nestas instituições vivem cerca de 80.000 idosos. Mas há ainda a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que é pública, e os lares lucrativos legais privados, mais os ilegais, cujo número de idosos institucionalizados não é conhecido.

SAÚDE DISTANTE

São duas as “falhas” apontadas ao Estado pelo presidente da CNIS. Uma prende-se com o financiamento. “Comparticipa deficitariamente, o próprio Estado reconhece que o custo médio de utente por mês numa instituição é de 1061,20 euros, enquanto a comparticipação do Estado é de 396,59 euros”, sublinha o padre Lino Maia, frisando ainda que “estes números ajudam a compreender como, segundo um estudo muito aprofundado da Universidade Católica, 40% das instituições encerram o ano com resultados negativos”.

A segunda falha é o distanciamento do Ministério da Saúde da realidade dos lares de idosos. “Além de protecção social, os utentes de lares também carecem de cuidados de saúde”, afirma o padre Lino Maia, que alerta: “Urge uma articulação da Segurança Social com o necessário envolvimento da Saúde no apoio aos utentes dos lares.” Ou seja, na prestação de cuidados médicos e de formação e disponibilização de pessoal médico e de enfermagem que dê assistência médica permanente aos idosos institucionalizados.

Mas o padre Lino Maia aprofunda as críticas ao Ministério da Saúde em relação à gestão da pandemia de covid-19 nos lares de idosos. Começa por afirmar que não pode confirmar que “as instituições tenham recebido indicações a tempo” da Direcção-Geral de Saúde: “Foram sendo dadas indicações, nem sempre a tempo e nem sempre coincidentes.” Mas garante que, “graças a uma conjugação de esforços [da CNIS] com a União das Misericórdias, os planos de contingência foram gizados em tempo útil.”

O presidente da CNIS garante que “tardaram e continuam a tardar os testes” e “faltaram e continuam a faltar os equipamentos de protecção individual”. Salienta, porém, que o “mais grave” é que “os lares são residências colectivas da população mais frágil”, mas “os doentes covid-19 precisam de acompanhamento da Saúde”, pelo que “não é nos lares que podem ser tratados”.

Responsável por um vasto sector de solidariedade social, o padre Lino Maia desabafa: “Por vezes, parece transparecer uma certa estigmatização dos mais velhos, acompanhada por algum desprezo. E os lares e as instituições de solidariedade, que emanam da solidariedade e da capacidade organizativa e mobilizadora da sociedade, não são respeitados pela Saúde como deveriam ser.”

Considerando que “esta crise tem feito sobressair uma sociedade eminentemente solidária, que sabe acatar as orientações consistentes (afinal, deixa-se governar!) e que sabe abraçar as grandes causas”, o padre Lino Maia alerta para que “a assunção valorativa dos mais velhos e a coordenação da Saúde com a Segurança Social, podem e têm de ser frutos positivos desta crise”. Para mais, quando a sociedade portuguesa “é crescentemente envelhecida”, ela “tem de estender o seu olhar para os mais velhos, de quem muito recebeu, e deve reconhecer que tem para com eles uma dívida de gratidão”.

É por isso que defende que para futuro há lições que o Estado tem de tirar da crise provocada pela pandemia. “O Estado tem de saber reorganizar-se e de estabelecer prioridades e vias orientadoras” em relação ao acompanhamento dos idosos institucionalizados, defende o presidente da CNIS, argumentando que “com o aumento da esperança de vida - o que é um bem - e a diminuição da natalidade - compreensível, mas que deve ser contrariada - há cada vez menos gente a produzir e mais gente a precisar de apoio”.

 

Data de introdução: 2020-04-22



















editorial

Financiamento ao Sector Social

Saúda-se a criação desta Linha de Financiamento quando, ao abrigo do PARES ou do PRR, estão projetadas ou em curso importantes obras no âmbito da transição ambiental e da construção ou requalificação de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda do Trabalho Digno – um desafio às IPSS
Durante muitos anos, dirigi, com outras pessoas, uma IPSS. Em um pouco mais de metade das suas valências os utentes não pagavam. Nessas, os acordos de cooperação celebrados com o...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Maio, mês do recomeço e do trabalho
Desde tempos imemoriais que em certas regiões europeias se celebra maio como o mês do recomeço, do lançamento de um novo ciclo temporal, a meio caminho entre a Primavera e o...