COVID-19

UDIPSS - ÉVORA satisfeita com resolução de surto de Reguengos de Monsaraz

A União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Évora manifestou-se satisfeita com o anúncio da Autoridade de Saúde Pública de resolução do surto de covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz.

Em comunicado, a UDIPSS diz que "enche de satisfação" o anúncio feito pela Autoridade de Saúde Pública no sábado, sobre a "total resolução" do surto que eclodiu na Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) da sua associada Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS).

A UDIPSS deixa também uma mensagem de "reconhecimento" a todas instituições sociais, pelo "árduo trabalho e pelo esforço colossal" que marcaram a sua ação nos últimos meses.

Destacando o trabalho de "valorização", em relação à capacidade de gestão que revelaram deter nos últimos tempos, a UDIPSS deixa ainda uma mensagem de "esperança", esperando que o futuro, apesar de poderem surgir novas vagas desta pandemia, as instituições possam estar "mais fortes".

"Esperança de que no futuro, ainda que novas vagas desta pandemia possam surgir, estaremos mais fortes e mais unidos e responderemos ainda melhor, pois a turbulência é sempre rastilho da revitalização e da reinvenção de objetivos, de estratégias e da ação", lê-se no documento.

O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito sobre o surto de covid-19 no lar da FMIVPS, que já provocou 18 mortos, revelou na sexta-feira à Lusa a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Questionada pela agência Lusa, a PGR confirmou a existência de um inquérito sobre o surto de covid-19 que surgiu no lar da FMIVPS, o qual corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora.

O surto no lar provocou, até quinta-feira, um total 162 casos de infeção, incluindo 18 mortos: 16 utentes, uma funcionária do lar e um homem da comunidade.

No lar, foram contaminados 80 utentes e 26 profissionais, mas a doença propagou-se à comunidade e infetou outras 56 pessoas.

Numa resposta por correio eletrónico a questões colocadas pela Lusa, a PGR revelou ainda que já recebeu o relatório da Ordem dos Médicos (OM) para avaliar as circunstâncias clínicas do surto de covid-19 no lar de Reguengos de Monsaraz, indicando que o documento "encontra-se em análise".

O lar onde começou o surto não cumpria as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS), conclui a auditoria, divulgada na quinta-feira à noite e à qual a Lusa teve acesso, com a comissão da OM a apontar responsabilidades à administração e a fazer também críticas à Autoridade de Saúde Pública e à Administração Regional de Saúde.

Em 09 julho, a Lusa já tinha questionado a eventual abertura de um inquérito, tendo então o magistrado do MP coordenador da Comarca de Évora respondido que o Ministério Público estava "a proceder a averiguações".

No relatório, que já foi enviado ao MP, Ministério da Saúde, DGS e à Ordem dos Advogados, a Ordem dos Médicos alega, entre outros aspetos, que foram criadas todas as condições para a "rápida disseminação" do vírus, "com responsabilidades para quem geria o espaço, o processo de rastreio epidemiológico e a aplicação das normas da DGS".

A Ordem dos Advogados (OA) vai fazer "o enquadramento jurídico" das conclusões do inquérito dos médicos ao surto de covid-19 no lar em Reguengos de Monsaraz para determinar consequências, segundo revelou na sexta-feira à Lusa o bastonário.

Os médicos fizeram "o relatório técnico sobre questões de saúde" e à OA cabe "fazer o enquadramento jurídico para dizer, em conclusão, quais as consequências do que foi descoberto", afirmou o bastonário dos Advogados, Luís Menezes Leitão.

Segundo o bastonário, a OA já recebeu da OM o relatório da auditoria e foram dadas indicações à Comissão dos Direito Humanos da Ordem para "fazer o enquadramento jurídico do que se verificou" no lar.

 

Data de introdução: 2020-08-10



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...