DESAFIO PARTIU DO BRAGANÇA SHOPPING E REUNIU 13 INSTITUIÇÕES DO DISTRITO

IPSS transmontanas unem-se para construir presépio

É estranho e confuso o tempo que vivemos e com a época natalícia à porta ainda é exigido a toda a gente que não conviva, não partilhe e, de certa forma, que se feche sobre si próprio.
Apesar das restrições e constrangimentos, com o Natal a chegar, época por excelência da família, da partilha e da solidariedade, ainda há gestos e iniciativas que evocam esses valores, também eles tão integrantes do código genético das IPSS.
E se o Natal é tempo de sentimentos e emoções, também o é de símbolos que há muito povoam o imaginário coletivo.
Do pinheiro às grinaldas, do azevinho à estrela, o presépio é, com certeza, o elemento mais marcante da época, ou não fosse ela de celebração do nascimento de Jesus.
Num país maioritariamente católico, o presépio é presença obrigatória em todas as casas, representando a devoção Àquele que “nasceu para nos salvar”.
Ora, apesar deste tempo estranho e confuso, como dissemos, um conjunto de IPSS do distrito de Bragança reuniu-se (à distância física, mas em união de espírito) e construiu um presépio que agora pode ser apreciado no Bragança Shopping, bem no centro da capital transmontana.
O desafio da estrutura comercial foi lançado à Diocese de Bragança Miranda, que a endossou à União das Instituições Particulares de Solidariedade Social do Distrito de Bragança (UIPSSDB) e foi prontamente aceite.
Segundo Paula Pimentel, presidente da UIPSSDB, as IPSS decidiram aceitar este repto com o intuito de “devolver a fé e a esperança, criar um cenário de alegria e de confiança de que vamos ultrapassar o momento difícil que vivemos”.
E apesar de todos os constrangimentos temporais e de recursos fizeram as instituições olhar para trás, tendo 13 IPSS do distrito aceitado o desafio.
“Tínhamos duas semanas para elaborar o projeto e construir o presépio, mas mesmo assim não consegui dizer que não. Se não fosse possível com todas as IPSS, pelo menos a Fundação Betânia faria, até porque no ano passado ganhámos o primeiro prémio do concurso do município”, refere Paula Pimentel, também presidente da Fundação Betânia, que acrescentou: “Fizemos o contacto com todas as associadas para fazer o convite, a que algumas responderam. Muitas disseram que não podiam, até porque estavam a trabalhar em equipas espelho ou com pessoal em isolamento profilático, mas houve outras que, não podendo, se disponibilizaram a dar apoio moral”.
Depois do Centro Social Paroquial Santo Condestável sugerir a maquete de um presépio, que disponibilizou para servir de modelo, até porque o tempo era apertado e não havia necessidade de perder mais na escolha do modelo a seguir, o processo foi sendo agilizado para que na data prevista tudo estivesse pronto.
Por sorteio foram atribuídas as peças a elaborar por cada instituição e dadas instruções mínimas.
“As únicas indicações que demos foram as medidas das peças, as cores a utilizar, que são o dourado e o cinza, e que queríamos imagens sem rosto e discretas”, conta a líder da UIPSSDB, que revela ter havido total liberdade para a utilização de materiais: “Cada instituição utilizou o que tinha e os recursos que tinha disponíveis. Assim, foram utilizados espuma, papel, arame, palha, ráfia, madeira”.
Na verdade, olhando ao produto final, parece que toda a gente tinha um guião muito concreto e que seguiu, mas foi tudo obra do espírito natalício.
“Para já, o feedback que temos tido das pessoas que visitam o presépio é que parece que foi todo feito pela mesma equipa e num só lugar”, sublinha, satisfeita, Paula Pimentel, acrescentando: “Houve muito trabalho de equipa e uma sintonia total. No meio disto tudo, há sempre instituições que têm muita dificuldade em se coordenar, aceitar e concordar, mas esta iniciativa foi um verdadeiro projeto de equipa e com muita união à mistura”.
Mariema Gonçalves, diretora do Bragança Shopping, “é um prazer imenso o shopping ser o palco que acolhe este presépio com estes sentimentos e emoções todas envolvidas”.
Quanto ao resultado final, a responsável pela superfície comercial é perentória: “Esperamos sempre o melhor e sabíamos que as IPSS estariam a preparar algo grandioso, porque fomos conversando ao longo do processo e sabíamos que viria algo grandioso, como está à vista. O presépio está lindíssimo e, se analisarmos os materiais utilizados na elaboração do presépio, vemos que é extraordinário. Para nós, é muito importante termos este presépio que é muito mais do que um presépio, pois representa tudo aquilo que o Natal tem, ou seja, a união, a partilha, a amizade, a solidariedade e o amor”.
Na construção do presépio, a cargo de utentes (idosos e crianças) e trabalhadores, participaram IPSS de Alfândega da Fé (Fundação Cónego Manuel Joaquim Ochoa), de Bragança (Associação de Pais e Amigos do Diminuído Intelectual, Associação de Socorros Mútuos dos Artistas de Bragança, Associação Sócio-cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes, Centro Social de Santa Clara, Centro Social S. Pedro de Serracenos, Centro Social Paroquial de Santo Condestável, Centro Social Paroquial dos Santos Mártires, Fundação Betânia, Obra Social Padre Miguel e Santa Casa da Misericórdia de Bragança), de Macedo de Cavaleiros (CERCIMAC) e de Mirandela (Centro Social Paroquial Nossa Senhora do Amparo).

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2020-12-10



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...