JOSÉ A. DA SILVA PENEDA, ECONOMISTA

A Região Norte e o país

O meu artigo de hoje aborda como o Norte do País deveria ser tratado pelo poder político para bem do todo nacional.

Quando se pensa numa estratégia de desenvolvimento de um país há que ter a noção dos maiores problemas que a respetiva economia enfrenta. No caso da economia portuguesa, o maior problema é a acumulação de dívida perante o exterior, que arrasta consigo uma série de impossibilidades, nomeadamente, no muito que há a fazer em termos de investimento e, na área social, no combate às desigualdades, ao desemprego e à pobreza. Portugal tem vivido neste século com uma débil taxa de crescimento económico, ao mesmo tempo que outros países do centro e do leste da europa estão a ultrapassar-nos. Para inverter esta situação o caminho mais recomendável consiste em optar por uma aposta muito forte na produção de bens transacionáveis. O mais decisivo potencial de crescimento da economia portuguesa é esse.

Todavia, há que ter em atenção que esse potencial de crescimento não se encontra distribuído do modo uniforme por todo o território nacional. Num País com défices crónicos na sua balança comercial, a exceção encontra-se na Região Norte que tem apresentado, de forma sustentável e persistente, nos últimos anos, excedentes nas suas contas com o exterior.

O Norte é, sem dúvida, a região do País mais aberta ao exterior e a mais industrializada. Segundo dados da Comissão Europeia, o Norte é a região portuguesa em que mais cresceu o índice geral de inovação, a que mais incorpora novas tecnologias e novos processos de produção; e, ainda, a que mais tem subido na cadeia de valor e no aumento da produtividade. Não deixa de ser impressionante constatar que no ano de 2020, apesar da pandemia, o valor das exportações do Norte apenas foi 0,5% inferior ao verificado em 2019.

Estes dados fazem parte da história recente da Região Norte e mostram a grande potencialidade que aí existe em ordem a contribuir, de modo mais rápido, para o crescimento económico do País. Aproveitar esta enorme potencialidade não pode assim ser confundido com objetivos meramente regionais ou paroquiais. Estabelecer uma clara prioridade ao investimento em bens transacionáveis e, por essa via, canalizar mais verbas para a Região Norte tem de ser visto, nas atuais circunstâncias da situação económica do País, como um desígnio nacional.

Por outro lado, a política económica definida a nível nacional também deve contrariar tendências que se revelam negativas para a prossecução do crescimento económico, através do aumento da produção de bens transacionáveis. Nas últimas décadas, através do sistema financeiro, tem havido lugar a uma drenagem significativa das poupanças realizadas na Região Norte para outras regiões do País, nomeadamente para a Região de Lisboa e Vale do Tejo. Esta situação tem conduzido a que haja menos capital no Norte, enquanto o afluxo de capital drenado do Norte tende a ser aplicado em atividades que podem gerar taxas de retorno mais elevadas mas que, na sua maioria, pouco ou nada tem a ver com a produção de bens transacionáveis.

Uma política económica que encaixe no objetivo prioritário da produção deste tipo de bens terá de contrariar esta tendência. O governo dispõe de um instrumento que o pode fazer - o Banco de Fomento - que deveria criar mecanismos que incentivem a canalização para o setor produtor de bens transacionáveis de recursos financeiros destinados de forma prioritária e urgente, por exemplo, para o aumento de capital e de fusões de empresas produtoras desse tipo de bens.

Nos programas de Estabilidade 2021/2025 e de Recuperação e Resiliência (PRR) está identificado, em matérias de contas públicas e de prioridades de investimento, o que, em conjunto, podemos designar do grande quadro de opções que irá moldar o desenvolvimento de Portugal nas próximas décadas. Nesses programas a questão, como eu a vejo e que neste texto descrevi de forma sucinta, não é abordada de forma direta. Há uma omissão sobre este ponto. Resta a esperança de que no Programa 2030 o assunto venha a ser tratado de forma adequada às verdadeiras necessidades do País.

 

Data de introdução: 2021-05-05



















editorial

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

O Orçamento do Estado não era propriamente a questão, mas foi a oportunidade para dar por concluída a missão da “geringonça”… Já se previa!

inquérito

Como avalia o acordo de cooperação 2021-2022 que a CNIS assinou com o governo?

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A pobreza em Portugal
Estatísticas oficiais da União Europeia recentemente divulgadas dizem que a taxa de risco de pobreza dos idosos no nosso País subiu de 20,2% em 2019, para 21,4% em 2020. Nas...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

De Glasgow até às IPSS
Em Glasgow, na Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro, cerca de duas centenas de líderes e representantes estiveram reunidos, essencialmente, para verem como dar continuidade...