AGOSTO 2021

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO E RESILIÊNCIA

1.     No dia 21 de julho, em complemento ao disposto no nº 2 do artº 5º do Decreto-Lei nº 29-B/2021, de 4 de maio e, assente numa partilha de objetivos comuns entre o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o Ministério da Saúde e o Ministério das Infraestruturas e Habitação, foi assinado um Protocolo de colaboração com Setor Social e Solidário (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência.

2.     Os impactos ao nível social e económico decorrentes da emergência de saúde pública causada pelo vírus SARS-CoV-2 requereram uma resposta imediata, quer no plano sanitário, quer na adoção de medidas de apoio ao emprego e aos rendimentos.
A União Europeia promoveu uma resposta coletiva e concertada, tendo os Estados-Membros acordado, em julho de 2020, o Quadro Financeiro Plurianual para o período 2021-2027 e o instrumento de recuperação europeu, designado Next Generation EU.
Neste contexto, no intuito de proceder à adaptação estratégica e operacional e promover uma resposta de estabilização de curto prazo e de promoção da recuperação e resiliência, a médio e longo prazo, o Governo elaborou e apresentou à Comissão Europeia o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) português, tendo procedido, através da Resolução do Conselho de Ministros nº 46-B/2021, de 4 de maio, à criação da Estrutura de Missão “Recuperar Portugal”, enquanto entidade responsável pela coordenação técnica e gestão do PRR.
São diversas as componentes incluídas no PRR em que o contributo das instituições da economia social pode ser decisivo para a concretização das reformas e dos investimentos estruturantes nele previstos ou a que as instituições da economia social podem recorrer para a sua modernização e adaptação às transições climática e digital.

Estão em causa, designadamente:

a Componente C1 – Serviço Nacional de Saúde, que prevê o envolvimento das Instituições do Setor Social e Solidário num conjunto de investimentos que visam o reforço e a expansão da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e da Rede Nacional de Cuidados Paliativos, assim como a conclusão da Reforma da Saúde Mental;

a Componente C2 – Habitação, que prevê o envolvimento das Instituições do Setor Social e Solidário na Criação da Bolsa Nacional de Alojamento Urgente e Temporário, sem prejuízo da sua articulação com os municípios na concretização das respetivas Estratégias Locais de Habitação, no desenvolvimento do Programa de Apoio ao Acesso à Habitação; e

a Componente C3 – Respostas Sociais, que prevê o envolvimento das Instituições do Setor Social e Solidário num conjunto de reformas e de investimentos que pretendem reforçar, requalificar e inovar as respostas sociais dirigidas às crianças, pessoas idosas, pessoas em situação de dependência e pessoas com deficiência ou incapacidade e famílias, bem como, enquanto parceiras dos municípios das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, nas operações integradas em comunidades desfavorecidas nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.

3.     O Setor Social e Solidário, de reconhecida importância estratégica desde há décadas, e cuja cooperação com o Estado tem permitido um alargamento e qualificação da rede de equipamento sociais, e bem assim o funcionamento dos cuidados continuados integrados e dos cuidados paliativos, a par de um importante contributo no domínio da saúde mental, tem assumido um papel fundamental na resposta aos cidadãos, em particular os mais vulneráveis, em diferentes domínios das respostas sociais e de saúde.
Nestes termos, a atuação destas Instituições no território nacional potencia uma intervenção de proximidade na resposta às situações de carência, ou de desigualdade social, às situações de dependência e às situações de doença ou incapacidade.
Neste contexto, o Setor Social e Solidário detém o conhecimento e os meios para, em articulação com as suas associadas, reforçar, adaptar, requalificar e inovar as respostas sociais dirigidas às crianças, pessoas idosas, pessoas em situação de dependência, pessoas com deficiência ou incapacidades e respetivas famílias, tendo em vista a promoção da natalidade, do envelhecimento ativo e saudável, da inclusão e promoção da autonomia e da conciliação entre atividade profissional e vida pessoal e familiar, a coesão social e territorial, o desenvolvimento do acesso à habitação como direito fundamental e a criação de respostas habitacionais de emergência, e bem assim  a prestação  de cuidados de saúde e de apoio social de forma continuada e integrada, a prestação de cuidados paliativos e a prestação de cuidados ao nível da saúde mental.
Assim, para a implementação das reformas e dos investimentos previstos no PRR, concretamente nos domínios da saúde, da habitação, da nova geração de equipamentos e respostas sociais, da transição digital e energética, das acessibilidades e da aquisição de viaturas elétricas, torna-se necessário estabelecer uma parceria entre o Governo e as Organizações representativas do Setor Social e Solidário, enquanto parceiros na cooperação e na mobilização das Instituições suas associadas.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2021-08-12



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...