SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES EM REGIME PRESENCIAL

CNIS emite orientações para as duas semanas de inatividade nas IPSS

Como é do conhecimento geral, encontram-se suspensas, entre os dias 27 de dezembro de 2021 e 9 de Janeiro de 2022, por determinação legal, as atividades em regime presencial de apoio à primeira infância, seja creche, creche familiar e amas, seja as atividades de apoio social desenvolvidas em Centro de Atividades e Capacitação para a Inclusão (CACI) e Centro de Atividades de Tempos Livres (CATL), bem como as atividades educativas, letivas e não letivas, incluindo as de animação e de apoio à família, dos estabelecimentos da educação pré-escolar e do primeiro e segundo ciclos do ensino básico, em estabelecimentos cujo funcionamento se encontrasse previsto para esse período.
A suspensão das atividades abrange igualmente as atividades formativas desenvolvidas em regime presencial realizadas por entidades formadoras de natureza pública, privada, cooperativa ou social.
Não se sabe ainda se a suspensão das referidas atividades em regime presencial terminará a 9 de janeiro de 2022, pois depende da avaliação da situação epidemiológica que o Governo promoverá dia 5 de janeiro.
Perante as muitas solicitações de instituições associadas sobre os procedimentos a adotar no presente contexto, a CNIS considera “que se trata sempre de decisões de gestão, da competência da Direção de cada instituição”.
No entanto, a CNIS enuncia, desde já, algumas reflexões genéricas:

1 - Assim, em primeiro lugar, e como é óbvio, a suspensão é das atividades desenvolvidas em regime presencial – pelo que não existe qualquer impedimento legal a que se possam desenvolver atividades, letivas ou não-letivas, através de meios remotos, afetando a tal modalidade alguns ou todos os trabalhadores das atividades suspensas em modo presencial.

2 – Mas importa salientar que também o teletrabalho é obrigatório durante o referido período, desde que compatível com a natureza das funções desempenhadas pelos trabalhadores.
Ora, excluída que está, legalmente, a comparência dos utentes nas instalações, parece igualmente óbvio que não existe fundamento para a comparência dos trabalhadores nas referidas instalações das respostas sociais com funcionamento parcialmente suspenso, sendo o teletrabalho obrigatório nesses casos.

3 – Assim, os trabalhadores afetos podem manter-se no domicílio, em regime de trabalho remoto; ou verem os seus contratos de trabalho suspensos transitoriamente, durante todo ou parte do período de suspensão das atividades.
Mas parece que não poderão frequentar as instalações, sem afrontar o sentido da intenção legal de diminuição da mobilidade durante o referido período.

4 – Só não será assim, podendo ser mobilizados para o serviço, quer pelo empregador, quer pela autoridade administrativa, para o acolhimento das crianças e jovens cujos pais ou encarregados de educação trabalhem em serviços essenciais, no caso de a Instituição ser referenciada pela Segurança Social para o acolhimento dessas crianças e jovens.
Nesse sentido, e relativamente a tais Instituições de referência, deverão as mesmas igualmente acolher os filhos e educandos pertencentes ao agregado familiar dos seus trabalhadores, uma vez que estes, por definição, constituem trabalhadores dos serviços essenciais.

5 – Outra questão que tem sido colocada é a de saber se esses “utentes” de outras Instituições, acolhidos durante o período da suspensão nas instituições de referência, deverão ou não pagar, na proporção, a chamada “comparticipação familiar”.
Não foi formulada pela Segurança Social qualquer orientação sobre esse ponto, sendo as Instituições livres de definir como entenderem se existe tal obrigação.
A sugestão da CNIS – pelo menos se se tratar de uma suspensão que efetivamente termine em 9 de janeiro – é no sentido de ser devido o pagamento, se, na entidade que a criança ou jovem habitualmente frequenta, lhe for efetuada qualquer dedução na mensalidade, por causa da suspensão – e na justa medida dessa suspensão.
Nada deveria pagar, no entanto, na Instituição de acolhimento, se tiver pagado a mensalidade por inteiro na entidade que normalmente frequenta.
Quer dizer, para a criança que frequente, durante o período de suspensão, a instituição de referência, tal substituição transitória da entidade de acolhimento deve ser neutra do ponto de vista financeiro.

6 – Questão simétrica desta é a de saber se as Instituições que suspendem as atividades, presenciais ou também remotas, deverão efetuar qualquer dedução nas mensalidades dos seus utentes habituais.
Sobre este aspeto, e ao contrário do que sucedeu em 2020, não foi emitida qualquer norma por parte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Cabe, portanto, na competência discricionária da Direção de cada Instituição definir o procedimento que se afigure mais adequado - mas qualquer desconto superior a 25% em cada um dos meses, correspondendo a uma semana em cada mês, afigura-se excessivo.

7 – Finalmente, diversas Instituições têm igualmente questionado se se encontra previsto o recurso ao “lay-off simplificado” para as situações em que as Instituições deliberem suspender contratos de trabalho ou reduzir o horário normal de trabalho, tendo em conta a suspensão das atividades presenciais e a não utilização de meios remotos.
A informação prestada pela Segurança Social é a de que esse mecanismo para manutenção dos contratos de trabalho em situação de crise empresarial decorrente de interdição legal ou administrativa – como é o caso – será assegurado em termos idênticos aos do ano passado.

8 – A CNIS continuará a manter as Instituições informadas sobre as medidas legislativas ou regulamentares que tiverem, no presente contexto sanitário, impacto significativo na vida e na atividade das suas Associadas, ou que alterem o enquadramento jurídico atual.

 

Data de introdução: 2021-12-28



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...