PRESIDENTE DA CNIS CONSIDERA NÚMERO MUITO ELEVADO

Segurança Social identificou mais de mil lares ilegais no último ano

A Segurança Social identificou mais de mil lares ilegais nos últimos dois anos, tendo notificado 186 estruturas para encerrar e fechado coercivamente outras 48, uma média de dois lares fechados por mês desde 2020.
De acordo com dados do Instituto de Segurança Social (ISS), este organismo identificou 1.008 lares ilegais entre janeiro de 2020 e final de novembro de 2021, um número que o presidente da CNIS considera “muito elevado”.
O número de lares ilegais identificados está muito próximo do total de 1.680 Estruturas Residenciais Para Idosos (ERPI) legais e com acordo de cooperação assinado com o Estado, que asseguram 62.887 vagas apoiadas pela Segurança Social.
Na opinião do padre Lino Maia, os lares ilegais são "clandestinos, mas não desconhecidos", apontando que o ISS "tem muitas vezes conhecimento destes lares" e alertando que são múltiplas as razões para não estarem legalizados, desde questões burocráticas a situações de incumprimento de exigências para funcionamento.
De acordo com o presidente da CNIS, "são normalmente lares pequenos", muitas vezes "fechados aqui e abertos na porta ao lado".
"Espanta-me esse número de cerca de mil", admitiu, lembrando que são mais de 1.500 os lares do Sector Social Solidário, entre IPSS e misericórdias, com uma média de 40 utentes por ERPI.
Por outro lado, também concordou que o elevado número de lares ilegais identificados poderá estar relacionado com a desproporção entre oferta e procura e "listas de espera muito grandes" nas IPSS e Misericórdias que fazem com que "as pessoas acabem por recorrer onde podem".
A informação disponibilizada pelo ISS revela ainda que no mesmo período de tempo foram notificados para encerrar 186 lares, havendo outros 48 que foram fechados com urgência.
"No total, e desde 2015, foram encerrados 725 lares ilegais", adianta a Segurança Social.
Os números da Segurança Social mostram também que só em 2020 houve 31 encerramentos urgentes de ERPI, quase o triplo das 13 estruturas encerradas em todo o ano de 2019, sendo que as 17 fechadas até ao final de novembro de 2021 também ultrapassam esse número.
De acordo com o ISS, "um encerramento tem, em regra, subjacente a verificação de condições de funcionamento muito deficientes que impliquem diretamente com os padrões mínimos de qualidade aceitáveis".
Acrescenta que as razões mais frequentes para notificação de encerramento são casos de "inexistência de licença de funcionamento, insuficiência de recursos humanos, quer em número quer em qualificações; deficiências graves nas instalações, cuidados de higiene e conforto inadequados, deficiências e/ou insuficiência na alimentação, ausência de certificado de vistoria higienossanitária, ausência do certificado de condições de segurança ou inexistência de detetores de incêndio".
A opinião do presidente da CNIS é partilhada pelo presidente da Associação de Apoio Domiciliário de Lares e Casas de Repouso de Idosos (ALI), João Ferreira de Almeida, segundo o qual os lares ilegais não encerram perante as ordens administrativas de encerramento e que "muitas vezes fecham num sítio e abrem noutro".
Apontou, por outro lado, que a filosofia dos centros distritais da Segurança Social não é de fazer inspeções ou andar à procura de lares ilegais, e que só em casos de denúncia, "e que seja suficientemente forte", o ISS vai "ver o que se passa".

 

Data de introdução: 2022-01-12



















editorial

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2022

No dia 29 de abril, seis meses depois de uma primeira tentativa, foi aprovado na generalidade o Orçamento do Estado (OE) para 2022. Entre os dias 2 e 27 de maio a proposta de lei do Governo segue para discussão na especialidade.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (I)
A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) é, e assim tem de continuar a ser, uma Organização não confessional. Durante os...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O valor da negociação coletiva e a inflação
A situação da negociação coletiva em Portugal não é famosa. Embora tenha havido nos últimos anos alguma recuperação, estamos ainda longe do...