JOSÉ A. SILVA PENEDA

A degradação das instituições públicas

Nos últimos anos vimos assistindo a uma contínua e impressionante degradação dos serviços públicos. No sistema de justiça, para além da inexplicável lentidão na conclusão dos processos, chegou-se ao ponto de os próprios juízes admitirem que há casos de corrupção na magistratura. As forças armadas mostraram-se incapazes de guardar as armas e munições que lhe estavam confiadas. Na educação, de forma surpreendente, baixou-se o nível de qualificações para exercer as funções de professor. Na saúde, o caos passou a ser a normalidade. O sistema de decisão para o investimento em grandes obras públicas, como é o caso do aeroporto, dá mostras de um grande amadorismo. O atraso na aplicação dos fundos que foram postos à disposição do País pela União Europeia é de todo incompreensível. Apesar de todos os anos sermos fustigados pelos incêndios e de ouvirmos até à exaustão que a causa maior para o facto é a ausência de uma política florestal, nada tem acontecido quanto a uma verdadeira reforma florestal. Fora das instituições públicas e em larga medida como resultado da sua insuficiência, a pobreza aumenta, as desigualdades acentuam-se, o custo de vida sobe de forma muito expressiva, os salários, especialmente para os mais jovens, mesmo altamente qualificados, são baixos e a classe média vai desaparecendo. Como consequência as pessoas abandonam o País que ocupa o oitavo lugar no mundo, quando se compara o número de emigrantes com o número de residentes. Acima de nós a emigrar só estão os países em que a população teve que fugir devido à guerra ou de desastres naturais.

Por vezes surgem análises e estudos de grande relevância com ideias e soluções para muitos dos problemas que afetam o País. Recentemente a Fundação Gulbenkian, a Fundação Manuel dos Santos e a Sedes brindaram-nos com publicações que apresentam interessantes pistas e que são merecedoras de atenção. Todavia, a minha experiência mostra que o problema de fundo da sociedade portuguesa não reside na análise dos problemas nem na identificação de soluções. Saber o que fazer, sabemos. O grande problema está no como fazer e isso depende largamente do funcionamento das instituições públicas que como na sua maioria funcionam mal ou não funcionam de todo, as boas ideias vão ficando pelo caminho. O último exemplo aconteceu com a vacinação. Sabia-se o que era preciso fazer, mas quando chegou à altura da execução teve que se chamar um militar para levar a carta a “Garcia”, porque as instituições públicas não revelaram capacidade de coordenação.

Por vezes surgem até surgem boas ideias no seio da administração pública, mas a forma como são executadas revelam-se um desastre. Dou dois exemplos. A tentativa de descentralizar funções para os municípios. Uma ideia boa, mas que, na sua aplicação, transformou-se numa enorme salgalhada. Outra ideia boa foi a criação do Banco de Fomento, mas a forma como nasceu e as vicissitudes e confusão porque tem passado em nada contribuem para a credibilização da instituição. São casos que demonstram que Portugal sofre de uma grave doença no que respeita ao funcionamento das suas instituições.

Tenho para mim que o estado de desenvolvimento de um País mede-se pela qualidade das suas instituições públicas. A sua debilidade é a principal responsável para esta tendência de não sermos capazes de dar o salto para níveis de crescimento mais ambiciosos e com menos desigualdades.

No Estado surgem alguns casos de sucesso de que são exemplos algumas instituições de ensino e centro de investigação mas, infelizmente, são a exceção. O País também beneficia da excelência de muitas empresas privadas e da atividade de muitos emigrantes bem-sucedidos no estrangeiro, mas isso não chega para compensar a ineficiência e o desperdício do que acontece no setor público.

Se olharmos para as instituições que funcionam no domínio da iniciativa da sociedade civil encontramos uma enorme diferença, não só quanto à capacidade demonstrada, mas também quanto aos resultados apresentados face aos meios disponíveis, quando se comparam com muitos dos serviços públicos. Refiro-me, no domínio da política social, às Instituições Particulares de Solidariedade Social e às Santas Casas de Misericórdia, que são excelentes exemplos de prestação de serviços à comunidade que se fosse o Estado a desempenhar essas mesmas funções seguramente que ficaria muito mais caro aos bolsos dos contribuintes e não chegaria a sua ação a largos estratos populacionais, especialmente os que vivem no interior.

Este exemplo de cidadania e de nobreza que nos dão estas instituições da sociedade civil fazem-me pensar que o País poderia ser muito diferente se o Estado confiasse mais nas instituições que funcionam fora da sua órbita, criando mecanismos de contratualização e de compromisso em torno de programas e objetivos partilhados. Mas para isso acontecer era preciso existir um clima de confiança entre todos e, a este respeito, os primeiros a desconfiar são as instituições públicas.

 

Data de introdução: 2022-09-08



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...