FERNANDO SOUSA, PRESIDENTE DA UDIPSS SETÚBAL

As associadas sabem que à frente de tudo está sempre a defesa dos seus interesses

A União Distrital das IPSS de Setúbal representa cerca de 250 associadas e, ao longo dos seus 21 anos de existência, tem mostrado grande dinamismo. Fernando Sousa é o atual presidente da Direção e deixa nesta conversa muitas questões que importa aprofundar para melhor representar as IPSS, garantindo que a União terá “sempre à frente de tudo a defesa dos interesses das associadas”.

SOLIDARIEDADE - Quais os principais marcos nestes 21 anos de história da União Distrital?
Fernando Sousa - A UDIPSS Setúbal teve alguma dificuldade em se instalar no distrito, pela dificuldade de entendimento entre as IPSS. Então, um conjunto de dirigentes de várias instituições considerou que o caminho seria a constituição de uma organização de proximidade, com o objetivo de auscultar os anseios e pretensões das IPSS e fazê-los chegar à organização de cúpula e ao poder local. Assim, a constituição da UDIPSS Setúbal foi, sem dúvida, um marco importante para as IPSS do distrito, que se viram representadas na estrutura de cúpula. Ao longo dos 21 anos de existência da União Distrital muitos foram os momentos altos levados a cabo pelas Direções e associadas, mas será de destacar, entre outras: Afirmação junto do Poder Local e outros parceiros; Representação nas várias organizações representativas locais e distritais; Festa da Solidariedade 2018; Criação de gabinete jurídico e consultoria; Formação adequada às necessidades e pretensões das associadas. Estas foram algumas das ações e iniciativas, a juntar a tantas outras de pouca expressão, que fizeram com que a UDIPSS Setúbal seja hoje considerada como parceiro de referência no distrito de Setúbal na defesa e afirmação do movimento solidário.

Que balanço faz do legado que recebeu dos seus antecessores?
A UDIPSS Setúbal sempre teve à sua frente dirigentes de grande qualidade, que souberam entender as preocupações das IPSS do distrito, defendendo-as e procurando sempre ter para o movimento solidário distrital as condições necessárias para a sua missão. Foi um legado enorme!

Quais os maiores obstáculos à ação da União Distrital?
O movimento solidário em Portugal está a passar por momentos difíceis de sustentabilidade financeira, de afirmação e de disponibilidade de dirigentes. É, sem dúvida, um momento bastante difícil, mas que, certamente, com o espírito solidário da população portuguesa será ultrapassado. Não tão rápido como se deseja, mas vamos conseguir.

Quais os grandes desafios para a UDIPSS no presente e, em especial, no futuro?
Os maiores desafios que se nos apresentam são aqueles que se referem, entre outros, o encontrar sustentabilidade financeira, meios técnicos para apoio às associadas, manter as parcerias com entidades e organizações locais e nacionais e encontrar dirigentes voluntários disponíveis para continuar a missão da UDIPSS Setúbal.

Como caracteriza a relação da UDIPSS Setúbal com as IPSS associadas?
A relação da União com as suas associadas é bastante curial e de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido. As nossas associadas têm confiança nos seus dirigentes e sabem, de um modo geral, que à frente de tudo está sempre a defesa e afirmação dos seus interesses.

Como é o relacionamento com a CNIS? Em que pode ser melhorado e potenciado em favor das IPSS associadas?
O relacionamento da UDIPSS Setúbal com a nossa Confederação é de respeito e reconhecimento por todo o trabalho (difícil) desenvolvido na qualidade de instituição representativa das IPSS. Certamente que nem sempre estamos de acordo com algumas decisões tomadas, mas, sempre e em local próprio (Conselho Geral e outros fóruns) e de uma forma construtiva, expomos as nossas ideias e chegamos a consenso. Algum caminho tem sido feito por parte da Confederação junto das associadas (bastante), mas muito ainda falta. Temos a certeza que com as crises que passámos e estamos a passar bastantes ensinamentos foram recolhidos e vão ser pensados e postos em prática. Estaremos disponíveis (como sempre) para colaborar e implementar no distrito as decisões e compromissos assumidos.

Pensam assinalar o 21º aniversário de alguma forma particular? Se sim, o que pretendem fazer?
Em cada dia que passamos ao serviço da causa comemoramos com preocupação essa passagem, mas também comemoramos com alegria por estarmos ao serviço da causa da solidariedade. Não tem sido prática dos dirigentes da UDIPSS Setúbal comemorar em ato público a passagem do aniversário da instituição e não será ainda este ano que o faremos por estarmos em final de mandato. É muito possível que os novos Corpos Sociais o queiram fazer.

 

Data de introdução: 2022-12-19



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...