CASA DO POVO DE ABRUNHEIRA

Mostr’ARTE foi um sucesso

A Casa do Povo de Abrunheira levou a cabo, nos dias 7, 8 e 9 de Julho o Mostr’ARTE .
Foram três dias cheios de representação, animação de rua, formação, debate e troca de experiências.

Na sexta-feira para iniciar as festividades o Grupo de saltimbancos do C.P.T. de Sobral de Ceira fez um desfile pela freguesia fazendo antever o quanto estes três dias seriam animados.
O público pôde assistir à actuação de dois espectáculos, um do grupo de Teatro Cegada, de Alverca com a peça “Kikerikiste”de Paul Maar, que decorreu no salão de espectáculos da C.P.A.; e outro do grupo de Montemor-o-Velho, Teatro dos Castelos com “Aldeia de Loucos” que decorreu no Miradouro de Reveles. No final deste espectáculo o grupo de Saltimbancos brindou-nos com mais uma actuação fantástica cheia de cor e alegria onde a animação com o fogo foi o encanto de todos. A noite acabou com uma festa onde o karaoke serviu de desculpa para a confraternização entre os diversos grupos presentes.

No sábado durante a tarde decorreu uma oficina de Teatro com o tema “Rudimentos, trabalho de actor”, a entidade formadora foi o grupo de Teatro Profissional A Escola da Noite e estiveram presentes cerca de 52 actores de teatro não profissional.
No salão da C.P.A. decorreram mais dois espectáculos: “Luz Negra” do Grupo C.P.T. Sobral de Ceira, onde o escuro e o fluorescente foram a magia; e em seguida o Cale Estúdio Teatro de Vila Nova de Gaia brindou-nos com a peça “Como estamos de Amores?” de Emílio Boechat, uma critica social que retrata as relações de um casal.
O terceiro dia contou com mais uma oficina de teatro ministrada pela Escola da Noite cujo tema foi “Reportório, processos de trabalho”. Pelas 17h foi a vez do Grupo de Teatro Trai-La-Ró actuar representando alguns Sketchs da obra de Abel Neves tais como “Cabeleira de Berenice”, “O dia meteorologicamente” e “Lamento do Unicórnio”.

Às 17:45h iniciou-se o Fórum Mostr’ARTE, cujos temas foram: “Teatro que função social?”, “Teatro como Terapia Ocupacional” e “Teatro Amador, que futuro?”.
Neste Fórum, onde o moderador foi o Sr. Carlos Alves, Presidente da Junta de Freguesia de Abrunheira, participaram o Sr. José Carvalho, Presidente da casa do Povo de Abrunheira; o Dr. Luís Melo Serrano, Vice-Presidente da ANTA (Associação Nacional de Teatro Amador); o Prof. Dr. António Pedro Pita, Delegado da Cultura Regional do Centro; a Dr.ª Lília Matias, coordenadora do Projecto Gerações e em representação do grupo A Escola da Noite estiveram o Prof. Dr. António Augusto Barros e a Dr.ª Sílvia Brito. Participaram também deste debate os representantes dos vários grupos de teatro convidados.

O Mostr’ARTE terminou a sua edição com a representação de “O Sentido da Vida”, uma comédia de Emílio Boechat pelo GATT (Grupo Amador de Teatro de Taveiro) e o “Urso” de Anton Tchekov pelo Grupo de Teatro de Abrunheira.
A Casa do Povo de Abrunheira prevê já uma continuação deste projecto, uma vez que esta edição superou todas as expectativas.

 

Data de introdução: 2006-07-14



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...