A 16 DE DEZEMBRO, NA ANIL

Crianças da Covilhã cantam em acção de solidariedade

Crianças de oito escolas do ensino básico da cidade participam na iniciativa Covilhã Solidária, que este ano vai beneficiar duas recém-criadas associações de solidariedade social destinadas a apoiar cidadãos com deficiência. “Pequenas Vozes Grandes Sorrisos” é o lema da iniciativa, apresentada na segunda-feira, que traçou como objectivo a angariação de 25 mil euros num espectáculo marcado para o 16 de Dezembro, no Pavilhão da Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios (ANIL).

Com uma duração prevista de duas horas, o evento terá a interpretação de 16 temas musicais pelas crianças, a solo ou em grupo, de cada escola, que serão acompanhadas na subida ao palco por dois padrinhos, num total de 32, que ainda não estão escolhidos. “Serão figuras públicas com especial relevância nas áreas da cultura, solidariedade e política que, além de apadrinharem a iniciativa, darão também o seu contributo financeiro para a causa”, explicou Pedro Farromba, um dos organizadores da iniciativa iniciada em Dezembro do ano passado com um desfile de moda que permitiu angariar 26 mil euros, mais cinco mil do que o valor a que inicialmente se tinham proposto.

FAZER MELHOR QUE EM 2006
“Se, em 2006, ultrapassámos, este ano teremos de fazer ainda mais e melhor”, disse Pedro Farromba. “Tem de haver quem organize iniciativas como esta, mas o mais importante é que o concelho se sinta todo ele envolvido nesta acção de solidariedade”, acrescentou aquele responsável acompanhado na apresentação por Francisco Almeida, Jorge Esteves, Paulo Rosa e Margarida Silva, elementos que integram o movimento cívico “Covilhã Solidária”.
Os bilhetes para o espectáculo custam cinco euros e podem ser adquiridos nas recepções da Câmara da Covilhã e ANIL ou na APPACDM da Covilhã – situada na antiga esquadra da PSP – ou no Núcleo Regional de Castelo Branco da Associação de Paralisia Cerebral, cujas instalações funcionam no edifício do antigo Hospital Distrital da Covilhã. Os fundos recolhidos irão beneficiar as duas últimas instituições.


Ideia continua de pé, mas sem prazos
Criação de uma fundação adiada

A 17 de Dezembro de 2006, o movimento Covilhã Solidária organizou um desfile de moda e um leilão de obras de arte, cuja receita reverteu para a Casa do Menino Jesus, Instituto Jesus Maria José, da freguesia de Dominguiso, e para a Fundação Anita Pina Calado, na vila do Teixoso. Nessa altura, os responsáveis anunciaram a intenção de transformar o movimento cívico numa fundação. Segundo Pedro Paiva, “a ideia continua de pé, mas não tem ainda um horizonte temporal para ser concretizada”.

Fonte: Diário XXI

 

Data de introdução: 2007-11-29



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...