EMPREGO

6 mil ofertas de emprego disponíveis na 12ª Feira de Emprego e Formação de Lisboa

Cerca de 6.000 ofertas de emprego vão estar disponíveis na 12ª Feira de Emprego e Formação de Lisboa, que decorre sábado e domingo, numa edição que conta, pela primeira vez, com uma feira de mestrados, doutoramentos e pós-graduações. A 12ª Feira de Emprego e Formação de Lisboa, com entrada gratuita e a funcionar na Gare Marítima de Alcântara, oferece diversas iniciativas ligadas ao emprego e formação, refere a Jobfair, empresa que organiza o evento e que espera mais de 30.000 visitantes nos dois dias.

A Feira de Emprego destina-se a todo o tipo de pessoas que procuram estágios, part-times, full-times, primeiro emprego, mudar de emprego e formação, sendo possível candidatar-se a empregos, entregar currículos e conhecer melhor as empresas.

Administrativos, advogados, ajudantes de pasteleiro, analista de crédito, assistente comercial, assistente de loja, assistentes de Contact Center, auxiliar de armazém, consultores comerciais, consultores de recuperação de activos, economistas e electricista são alguns dos empregos disponíveis na Feira de Emprego, a primeira do ano de 2008.

Encontram-se ainda disponíveis outras funções como engenheiros, gestor comercial, operador de registo de dados, personal trainers, promotores, psicólogos, secretária, técnico de contabilidade, técnico de manutenção, técnico electrónica e telefonista/recepcionista.

Entre as empresas participantes contam-se, por exemplo, a 3C - Customer Contact Center, African Jobfair, ANJAF, Aupper Portugal, Carga de Trabalhos, Força Aérea, Grupo CRH, Grupo Select Vedior, Holmes Place, IEFP, Oriflame, Profiforma e Randstad.

Em paralelo, vai decorrer, pela primeira vez, a MBA Plus Lisboa 2008 - Feira dos MBA, Mestrados, Doutoramentos, Pós-Graduações e Formação para Executivos, a qual pretende divulgar o que existe em Portugal nestas matérias.

Obter informação sobre o conteúdo dos programas, custos, duração, bem como as possibilidades de ajuda financeira e projecção profissional são algumas das possibilidades dadas aos visitantes.

Entre as escolas já confirmadas contam-se a AESE - Escola de Direcção e Negócios (AESE), INDEG/ ISCTE - Instituto Superior de, Ciências do Trabalho e da Empresa, Instituto Superior Novas Profissões (INP), Instituto Politécnico de Leiria (IPL), Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) e Instituto Superior de Gestão (ISG). Estão também presentes, Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA), ISQ Formação, UAB - Universidade Aberta, Universidade Autónoma de Lisboa/ Escola de Gestão e Negócios (UAL), Universidade Beira Interior (UBI), Universidade Católica Portuguesa (UCP), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT) e Universidade Lusófona do Porto (ULP).

Desde Abril de 2002 visitaram as Feiras de Emprego em Portugal mais de 300.000 pessoas e participaram 250 empresas e organizações. Durante o ano passado, 80 por cento dos visitantes das Feiras de Emprego estavam desempregados, 40 por cento eram licenciados há mais de 3 anos e 47 por cento recém-licenciados.

Em relação à média de idades dos visitantes, 45 por cento tinham entre 18 e 25 anos e 42 por cento entre 26 e 40 anos. Visitaram as Feiras de Emprego que decorreram durante o ano passado mais mulheres (55 por cento) do que homens (45 por cento).

12.03.2008

 

Data de introdução: 2008-03-12



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.