ÁFRICA

Africanos também já põem os mais velhos em asilos

A história veio no Jornal de Angola, contada por Guilhermino Alberto Fernando: um velho de 66 anos (é-se assim tão velho em Angola, quando a esperança de vida não ultrapassa muitos os 40 anos), doente há três, internado durante dois, ergueu-se da cama do hospital e regressou a casa. Uma casa que ele próprio havia construído. Os filhos fecharam-lhe as portas e o velho acabou asilado num lar da terceira idade no Sumbe. Angola tem destes contrastes: era um bom lar de idosos, com 15 quartos, duas camas por quarto, num cenário nacional ainda de grandes carências.

O velho sente-se bem no lar. Tem tecto, três refeições diárias, uma cama, pessoas com quem pode conversar. Mas lamenta, amargo, a atitude dos filhos.

Em reacção à história ouvem-se vozes de incitamento ao regresso "às nossas tradições" - respeito pelos mais velhos; amparo familiar da velhice - e de desencanto por estar Angola (e África, em geral) a adoptar perigosos padrões de abandono dos seus familiares idosos, virando as costas a uma ancestral posição de protecção dos mais velhos.

Em África, e em Angola, portanto também, projecta-se sempre a imagem "dos mais velhos que cuidam das crianças que por sua vez haverão de cuidar dos mais velhos", imagem essa, no entanto, questionável.

Respeito e mistificação

O escritor moçambicano Mia Couto, que muitos "mais velhos" leva para o interior dos seus livros e às vezes subvertendo a ordem natural das coisas, como no livro Terra Sonâmbula, com um menino a ler histórias ao velho, considera que "a ideia de que em África os velhos são sempre respeitados, resulta de uma mistificação".

Numa entrevista ao jornal brasileiro O Globo, no ano passado, Mia Couto diz que "isso nem sempre acontece, mesmo em sociedades que não foram desarrumadas pela colonização", sendo, porém, verdade que "em certas sociedades o lugar dos mais velhos é fonte de prestígio e saber, mas não são todos os mais velhos, já que a idade é cruzada com a linhagem, a família, o sexo (a mulher sai desse espaço)".

O escritor considera ainda que "o actual universo de miséria absoluta vai corroendo aquilo que antes era dominado pelo respeito" e que "num mundo ajoelhado perante a mercadoria, está a suceder em África o que já sucede noutros pontos do mundo - os velhos e as crianças estão desvalorizados porque produzem pouco e compram ainda menos"

Ora, os velhos e as crianças sempre estiveram, em África, nos extremos do mundo dos vivos, ligado ao dos mortos, num diálogo constante regulador da vida na terra. E muitos anos vividos era um sinal de protecção dos antepassados e, por isso, o velho ditado africano diz que "a morte de um idoso não estraga a morte".

A urbanização crescentes dos africanos - largando, em nome da sobrevivência, as origens, as referências e os antepassados -, o novo meio hostil em que habitam, desaparecendo os pontos tradicionais de contacto entre os mais velhos (e surgindo, no seu lugar, enormes edifícios) e os mais novos, a diluição da força e da riqueza da oralidade, a derrocada de grande parte das tradições, as dificuldades: tudo isto se junta para a criação de novos conceitos, assentes, como noutros espaços, no individualismo e na desvalorização da família.

* Diário de Notícias

 

Data de introdução: 2008-04-27



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.